O câncer de colo do útero também chamado de cervical pode ser definido como uma doença silenciosa e perigosa, mas que pode ser prevenida por meio de cuidados básicos e de maneira fácil. Responsável pela quarta maior causa de morte de mulheres com câncer no Brasil, esse tipo de tumor é o mais frequente na população feminina, ficando atrás somente do câncer de pele, mama e colorretal.

O principal fator para o aparecimento desse tipo de câncer é o papiloma vírus humano (HPV). Porém, há outras causas que colaboram com essa enfermidade, como a imunossupressão, ou seja, a redução da atividade ou eficiência do sistema imunológico. O tabagismo e a associação com outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) também são fatores que podem contribuir com o problema. Outros riscos considerados são o início precoce da atividade sexual, ter múltiplos parceiros sexuais, má higiene íntima, falta de realização de exames preventivos e multiparidade, vários partos.

Como prevenir?


Uso de preservativo


A melhor forma de proteção seja para evitar o câncer de colo do útero ou outras doenças é usar preservativo nas relações sexuais, pois o HPV é transmitido durante o sexo, até mesmo o oral. Segundo o Ministério da Saúde, 72% dos brasileiros apresentam algum tipo do vírus HPV na região genital.


"Felizmente, a maioria dos portadores de HPV não desenvolve câncer, caso contrário, teríamos números epidêmicos", explica José David Kandelman, oncoginecologista.


Exames


É fundamental realizar anualmente exames preventivos como o Papanicolau, que pode ser feito em conjunto com outras análises mais específicas, como a colposcopia, vulvoscopia e peniscopia.


"Devemos colocar na lista de métodos preventivos a vacina contra HPV, que tem de ser aplicada antes do início da vida sexual da mulher", recomenda Frederico Müller de Toledo Lima, médico oncologista.


Sintomas


Como foi dito acima, o câncer de colo do útero é uma doença silenciosa e dessa forma não apresenta muitos sinais precocemente. Os sintomas só aparecem quando a doença já se encontra em estágio avançado, trazendo dor pélvica e sangramento vaginal.


Mulheres mais atingidas


Apesar de se manifestar em qualquer idade, costuma ser mais frequente na população jovem, sexualmente ativa. Atinge mulheres que têm ou já tiveram atividade sexual, principalmente aquelas com idade entre 25 e 65 anos.


Tratamento


A maneiras mais precisas de tratamento irá depender do estágio da doença. "É preciso saber se é algo localizado ou se já se disseminou para as estruturas em volta ou fora do colo. Caso esteja localizada, pode ser feita a cirurgia com retirada parcial ou total do órgão ou ainda de todo útero (corpo e colo). Agora, quando a doença já se disseminou, o tratamento é feito com radioterapia e quimioterapia", afirma Glauco Baiocchi Neto, diretor do Departamento de Ginecologia Oncológica do A.C. Camargo Câncer Center, em São Paulo.


Diferença de câncer de colo de útero e câncer de endométrio


Muitas pessoas confundem, mas, vale ressaltar que existem dois tipos de câncer que podem surgir no útero, o de colo de útero e o de endométrio (camada interna do útero). Apesar de surgirem no mesmo órgão, são tumores totalmente diferentes, pois o primeiro está muito relacionado à infecção por HPV e o segundo tem relação com hormônios femininos. Os principais fatores de risco para o câncer de endométrio são: idade avançada, tratamento hormonal, obesidade e histórico familiar.

Se você trabalha na área da saúde e deseja aprofundar seu conhecimento na área ginecológica, esse é o momento certo para começar sua pós-graduação. Faça sua especialização em Citopatologia Ginecológica no Instituto Monte Pascoal. Seja um (a) profissional mais capacitado (a) e faça a diferença no mercado de trabalho.



Fonte: UOL

Imagem: 123RF