Os problemas urinários muitas vezes são causados por não tomar água na medida considerada suficiente para o dia. Mas, o motivo de sentir dor ou ardência ao urinar nem sempre é por beber pouca água ou devido a uma infecção urinária, há várias doenças que podem causar esses mesmos sinais. Veja o que pode ser e esteja atenta (o) aos outros sintomas que podem surgir.


Além da dor e ardência ao fazer ‘xixi’ algumas enfermidades podem causar corrimento, dificuldade ou vontade constante de urinar e mau cheiro na urina. Por isso, é de extrema importância beber bastante água no decorrer do dia para que a urina saia com a mesma transparência da água. Além disso, o diagnóstico preciso de alguma possível doença vai depender da realização e do resultado do exame de urina e sangue.

A urologista e titular da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Karin Anzolch, explica que essa dor e ardência ao urinar, chamada disúria se encaixa em múltiplas causas, por isso é preciso verificar de forma detalhada o histórico do paciente. "Idade, gênero, tempo de sintomas, além de sinais que a acompanham, como febre, urgência ou esvaziamento da bexiga, dor nas costas ou vaginal", comenta.


Outro fator relevante para o diagnóstico da ardência ao urinar é a atividade sexual, principalmente das últimas três semanas, pois pode correlacionar com o início do sintoma.


Cistite e uretrite


A cistite é uma inflamação na bexiga causada por bactéria ou fungo ou até mesmo pelo uso prolongado de cateter no trato urinário. Normalmente, atinge mais mulheres devido ao tamanho mais curto da uretra de 4 centímetros contra 20 centímetros do homem. Dessa forma, as bactérias contidas na vagina têm um caminho menor a percorrer entre a vulva e a bexiga, o que facilita a colonização e proliferação de microrganismos.


Outra possibilidade de ter a doença é a entrada de bactérias via uretra depois de relações sexuais. Enquanto nos homens, fimose e aumento da próstata são os fatores de risco mais comuns. Além disso, a infecção da uretra, chamada de uretrite causa neles dor na relação sexual, coceira no pênis, presença de sangue na urina ou no esperma, além da ardência ao urinar. A doença do tipo viral é mais comum depois de relações sexuais sem uso do preservativo.


Pielonefrite


A dor e ardência ao urinar pode vir acompanhada de febre, dor lombar, hipotermia, calafrio, diminuição do apetite, queda de pressão e perda de consciência. Os sintomas são consequência da inflamação do rim.


Em casos em que o conjunto desses sintomas são sentimos é preciso procurar imediatamente o serviço de urgência, principalmente se a pessoa for idosa, gestante, diabético, ter algum problema imunológico ou cálculo renal. O quadro de pielonefrite revela que os germes estão circulando de maneira rápida no sangue e essa infecção pode atingir vários órgãos e até causar morte por choque séptico.


Cálculo renal


O fato de ter pedras nos rins causa dor no momento da micção quando há uma obstrução completa do trato urinário. Além do desconforto, em última análise, pode levar a sofrimento renal, por impedir a saída da urina.


Isso acontece porque o cálculo está no processo de saída, ou seja, já entrando na bexiga ou até na uretra. O que pode causar sangramento. Ele se forma devido à presença de quantidades expressivas de ácidos úrico e oxalato e de cálcio, que se unem e geram os cristais.


Pedra na bexiga


Diferentemente do que ocorre no caso de cálculo renal, que tem relação com componentes genéticos e alimentares, a formação na bexiga deve-se à infecção provocada por bactérias produtoras de pedras no sistema urinário. Além disso, a dificuldade de esvaziamento da bexiga ou infecções urinárias crônicas repetitivas causadas por germes podem impulsionar o desenvolvimento de cálculos no órgão.


Vulvovaginite


A inflamação da vulva por bactéria, fungo ou protozoário provoca dor ao urinar e desconforto na micção. A doença também causa coceira e inchaço na vagina, corrimento com mau cheiro ou ardência no ato sexual.


Prostatite


Como o nome sugere, se trata de uma inflamação da próstata e causa ardência na micção devido ao aumento da glândula que dificulta a passagem da urina. Isso acontece porque a bactéria, adquirida em relação sexual ou não, entra pelo orifício da uretra e atinge a próstata antes de chegar à bexiga.


Outro sintoma além do ardor é o sangue no esperma, que se torne mais líquido ou amarelado, dores no baixo ventre ou entre a bolsa escrotal e o ânus, e aumento de frequência urinária.


Hiperplasia prostática benigna


Apesar de ser uma doença benigna e não causar uma predisposição ao câncer, provoca aumento do tamanho da próstata. Os sintomas mais recorrentes são a diminuição do calibre do jato urinário, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga e gotejamento depois da micção.


Já a dor e a ardência ao urinar acontece quando a doença está acompanhada de infecção urinaria, pois, a bexiga não esvazia de forma completa, ou então devido a outra doença urológica não relacionada com a próstata. Normalmente, a hiperplasia prostática benigna é causada mais em homens a partir dos 40 anos, e a incidência é maior com o passar desta idade.


Câncer de pênis e na bexiga


Essa doença está relacionada com a má higiene, infecções sexualmente transmissíveis ou fimose não tratada. Geralmente, aparece de forma externa, com o aparecimento de ferida que não cicatriza na ponta da glande ou no corpo do órgão. Em determinada fase pode invadir a uretra e causar ardor na micção. Uma das consequências é a amputação por falta de tratamento adequado. Outro principal fator de risco para o câncer de bexiga é o tabagismo.


Tuberculose urinária


Apesar da tuberculose ser conhecida como pulmonar, essa doença pode invadir outros órgãos como os rins, ureteres e bexiga. A transmissão acontece pelo ar ou por contato com secreções respiratórias. O quadro da doença pode ser percebido por meio do aumento de glóbulos brancos na urina, e pode evoluir com sequelas como estreitamento do ureter, encolhimento da bexiga e cicatrizes renais.


Se você atua na área da biomedicina e deseja aprimorar seus estudos e fazer a diferença no mercado de trabalho, faça sua especialização em Microbiologia Aplicada ao Laboratório Clínico na Incursos. Aperfeiçoe suas técnicas profissionais e seja um (a) especialista no seu meio de atuação.



Fonte: UOL

Imagem: 123RF