A transfusão de sangue só acontece em casos extremos quando o paciente realmente precisa de reposição sanguínea. Vários critérios e procedimentos são adotados para que transfusão seja realizada de maneira adequada e segura. Mas, em certos casos a medida de transfundir sangue para o indivíduo que precisa pode trazer sérios danos à saúde.


Mesmo com as normas técnicas preconizadas a transfusão de sangue envolve risco sanitário com a ocorrência de incidentes relacionados as doenças infecciosas e parasitárias. As doenças mais comuns transmitidas pelo sangue são:

Hepatite B e C – causada por vírus que contaminam o fígado, provocando uma inflamação crônica ou aguda. Os principais sintomas são dores abdominais, febre entre 37ºC e 39ºC, olhos e pele amarelados e urina escura.

AIDS – transmitida pelo vírus HIV, que ataca as células de defesa do organismo. Os portadores deste vírus ficam mais expostos a inúmeras doenças infecciosas que, em muitos casos, levam à morte.

Sífilis – doença infecciosa, o período de incubação, ou seja, o tempo que a bactéria leva para aparecer é de 2 a 3 semanas após o contágio. É caracterizada pelo surgimento de feridas nos órgãos genitais seja do homem ou da mulher.

Malária – doença parasitária, transmitida pela picada do mosquito Anopheles e o período de incubação da malária varia de 8 a 16 dias. Os principais sintomas da malária são febre, calafrios e dor de cabeça, que acontecem quase sempre juntos e no mesmo horário e em dias seguidos.

Doença de Chagas – doença parasitária, transmitida pelo inseto conhecido como Barbeiro ou Chupança, muitas vezes a pessoa portadora do parasita não apresenta nenhum sintoma e pode atingir o coração e órgãos do aparelho digestivo, comprometendo o funcionamento destes órgãos.

HTLV (I e II) – É um vírus que ataca células de defesa do organismo, quando adquirido pode permanece no organismo por um longo período sem causar nenhum sintoma de doença.

Creutzfeldt-Jacob – mais popularmente conhecida como uma variante do "mal da vaca louca", em seres humanos também pode ser transmitida na transfusão sanguínea. Algumas pessoas são portadoras dos agentes que causam essas doenças, mas não possuem seus sinais ou sintomas. Esses são denominados portadores sadios. Uma vez que o sangue destas pessoas é transfundido para uma pessoa "sadia", ela se manifesta geralmente na forma aguda e com evolução rápida.

Sendo assim, é indispensável constatar a presença dessas doenças, antes que seja realizada uma transfusão de sangue. As pessoas que possuem vírus ou outros agentes infecciosos não podem ser doadores.


Por isso, todo candidato a doação deve ser honesto no questionário realizado durante a entrevista clínica e não doar sangue se tiver dúvidas. Isto porque você pode transmitir alguma dessas doenças e trazer riscos para a saúde de pacientes.

Se você atua como biomédico (a) e deseja aprimorar seu conhecimento e se posicionar melhor no mercado de trabalho, comece sua especialização em Hemoterapia e Terapia Celular na Incursos. Seja um especialista no assunto e faça a diferença no meio profissional.



Fonte: Hemoba e Portal Educação

Imagem: 123RF