O exame Fator Antinuclear ou FAN como é conhecido não é recomendado para todas as pessoas fazerem exceto em casos específicos. É um exame de triagem realizado em pacientes quando há suspeita de doença autoimune, pois, avalia a presença de anticorpos que são produzidos no organismo contra algum constituinte próprio, ou proteína própria ou contra alguma estrutura própria do organismo.


De acordo com Jhonathan Gonçalves da Rocha, biomédico e membro da Diretoria do Conselho Regional de biomedicina da Terceira Região (CRBM/3), o exame FAN serve para auxiliar no diagnóstico laboratorial das doenças autoimunes, tais como: lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide, doença mista do tecido conjuntivo (DMTC), dentre outras doenças autoimunes. "Quando o exame dá positivo ele informa para o médico, que geralmente é um médico reumatologista que trata das doenças autoimunes, que existe a presença do auto anticorpo. Depois desse exame é feito uma investigação mais aprofundada sobre qual é o auto anticorpo responsável pelo resultado positivo no exame FAN", explica.


Ainda segundo o biomédico o exame é realizado quando há suspeita de doença autoimune. "O paciente começa a apresentar doenças reumáticas como dor articular, inchaço nas articulações ou alguma outra manifestação que seja compatível com a doença autoimune. Algumas doenças autoimunes como o caso do lúpus eritematoso sistêmico possui sintomas bastante heterogêneo. Cada paciente com lúpus tem a manifestação de uma forma, alguns nas articulações, outros mais dermatológicas, há essas diferenças" conclui.


Sintomas de algumas doenças autoimunes


Lúpus: caracterizada pela inflamação das articulações, pele, olhos e rins, por exemplo;

Artrite reumatoide: dor, vermelhidão e inchaço das articulações.


Artrite idiopática juvenil: inflamação de uma ou mais articulações em crianças;

Hepatite autoimune: presença de auto-anticorpos que provocam inflamação no fígado.


Esclerodermia: aumento da produção do colágeno, causando o endurecimento da pele e das articulações;

Dermatomiosite: doença inflamatória caracterizada por fraqueza muscular e lesões dermatológicas.


Síndrome de Sjögren: caracterizada pela inflamação de várias glândulas do corpo, resultando no ressecamento dos olhos e da boca, por exemplo.


O exame


Para realizar o exame FAN é necessário que um profissional capacitado retire uma pequena quantidade de sangue do paciente, que é enviado para o laboratório para que seja feita a análise.


Geralmente, a coleta de sangue é feita no hospital, mas também pode ser feita em clínicas especializadas, tanto em adultos como crianças. No caso dos bebês, a coleta normalmente é feita com uma pequena picada no pé, sem ser necessário utilizar a agulha.

Quando o exame é feito em laboratório contém adição na amostra de um corante fluorescente marcado com os anticorpos que se busca identificar. Após isso, o sangue com o corante marcado é colocado em um recipiente contendo uma cultura de células humanas conhecida com células Hep-2, que permite a visualização clara de várias estruturas celulares e fases do ciclo celular. Dessa forma, é possível fazer o diagnóstico, já que é feito a partir do padrão de fluorescência observado por meio do microscópio.

Se você atua como biomédico (a) e deseja aprimorar seus estudos e se posicionar melhor no mercado de trabalho, então esse é o momento certo para você se tornar um especialista em Hemoterapia e Terapia Celular na Incursos. Amplie seu conhecimento e faça a diferença no mercado profissional.



Fonte: Tua Saúde e Jhonathan Gonçalves da Rocha CRBM-3 4833

Imagem: Envato Elements