Pode ser que você já tenha escutado de alguém que ler em lugares com pouca luz é prejudicial para a saúde dos olhos, ou então, já se deparou pensando no quanto você cansou rápido ao ler. Então, o fato de ler quando a luz é insuficiente não causa prejuízos como miopia, hipermetropia e astigmatismo. Já aquela sensação de cansaço e que não dá para ler nem mais um pouco é comum quando estamos em um ambiente mal iluminado. No entanto, ainda não há nenhuma evidência cientifica de que ler nessas condições cause problemas aos olhos.


Essa ideia de que faz mal ler em ambientes com pouca luz talvez venha da dificuldade que as pessoas têm em realizar a leitura. Além disso, há os sintomas que podemos ter quando fazemos muito esforço para enxergar, como cansaço visual, olhos vermelhos, irritados e secos, lacrimejamento, coceira, visão embaçada e dor de cabeça.


Pode acontecer também situações de erro refrativo em que as pessoas colocam a culpa na leitura. Mas, na realidade pode se tratar de presbiopia, conhecida como "vista cansada", que surge de maneira natural quando os olhos envelhecem.


De acordo com Antonio Carlos Lottelli, professor de oftalmologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), o envelhecimento dos olhos faz com que a capacidade de ajuste do foco para a visão para perto, também chamado de acomodação, vá sendo perdido, porém, também auxilia o ajuste de foco em pacientes que são hipermetropes. Essa perda costuma ser mais percebida após os 40 anos, momento que boa parte das pessoas necessitam do uso de óculos para ler, assim como também pode começar bem antes e não ser perceptível.


Defesa natural


O que acontece quando a leitura é feita praticamente no escuro? "Quando estamos num ambiente mais escuro, ocorre uma dilatação na pupila para permitir uma melhor entrada de luz. É um mecanismo de defesa natural dos olhos", explica Ione Alexim, oftalmologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP).


Diferente do que acontece quando olhamos para uma luz muito forte como a do sol. Nessa situação, as pupilas dos olhos se fecham para que não entre claridade demais na retina. É por essa razão que é preciso ler em lugares que fique no meio termo, nem muito nem pouco iluminados.

Quando a luz é insuficiente, o contraste das letras é reduzido e por isso, é necessário fazer um esforço maior para ler. Porém, se a iluminação for adequada esse contraste aumenta e possibilita ler com facilidade.


A luminosidade baixa não é o único fator que dificulta uma boa leitura. O fato de piscar com pouca frequência, algo comum quando se está concentrado lendo, faz com que os olhos fiquem menos lubrificados e isso prejudica a qualidade da visão. Além disso, o cansaço pode acabar aparecendo mais rápido do que o esperado.


E a leitura em telas?


Apesar da leitura em papeis não oferecer riscos à visão, o ato de ler em telas como celulares, tablets e computadores já entra em outro contexto. O uso excessivo desses dispositivos eletrônicos causa danos principalmente para as crianças.


"Para elas, pode ser muito prejudicial. O esforço acomodativo intenso pode favorecer o desenvolvimento de miopia numa fase inicial do desenvolvimento. O uso de eletrônicos, inclusive o aparelho televisor, para crianças abaixo de um ano, a gente preconiza que seja de um tempo abaixo de uma hora", esclarece Alexim.


O oftalmologista, Antônio Carlos Lotteli, explica que o que prejudica não é a leitura em si, mas a manutenção do foco para perto, ou seja, menor do que 50 centímetros. Nesse caso, é importante que as crianças não passem o dia todo olhando de maneira fixa para as telas.


O recomendado é que a criança passe um tempo fazendo atividades que não exija a visão para perto, de preferência as que são realizadas ao ar livre. Dessa forma, a criança não vai precisar abolir o uso dos aparelhos eletrônicos e sim alternar as duas coisas ao longo do dia.


Já em relação aos adultos, a maior queixa é a fadiga. "Estudos mostram que a leitura em dispositivos eletrônicos tende a provocar maior desconforto e cansaço visual (sensação de areia nos olhos, fotofobia, dor de cabeça) quando comparados à leitura convencional em papel. Os motivos dessa diferença ainda não estão claros", pontua o oftalmologista. Quando esses aparelhos estão no escuro, os sintomas são mais acentuados.


Vale ressaltar que não é o celular, o computador ou o tablete que faz mal aos olhos, mas o uso excessivo deles. "A síndrome da visão do computador pode acometer até 75% dos usuários de computador que fazem uso acima de oito horas por dia", alerta Alexim.

Os sintomas oculares são só alguns diante das dores nas costas e nos ombros que as pessoas podem ter devido ao tempo prolongado que permanecem imóveis. E muitas vezes, com uma postura inadequada. Nesse sentido, os aparelhos portáteis são ainda piores para a saúde como um todo.

Cuide dos seus olhos


Para que a leitura seja realizada de maneira agradável, é necessário ter alguns cuidados tanto com os dispositivos eletrônicos quanto em papeis. Principalmente se a leitura for extensa. O ideal é ler em um ambiente bem iluminado, onde as vistas não sejam forçadas.


Quando o sol estiver muito forte, se previna e use óculos, boné, viseira ou chapéu ao ar livre. Em ambientes fechados, controle a entrada de luz natural por meio da cortina. Caso tenha o hábito de ler durante a noite, o recomendado é ter uma luminária ou um abajur desde que não fique muito próximo dos olhos, caso a iluminação esteja fraca. A distância deve ser de 30 centímetros se a leitura for em papel e de pelo menos 50 centímetros se for em tela.


Também é importante não esquecer de piscar com frequência e de preferência com piscadas completas, ou seja, as pálpebras precisam fechar completamente. O ar-condicionado muito perto dos olhos assim como o vento forte devem ser evitados, pois fazem a lágrima evaporar.


As pessoas que usam lente de contato precisam estar ainda mais atentas, já que o uso ajuda no ressecamento ocular. Em situações que os cuidados não resolvem, é preciso usar um colírio lubrificante para aliviar a secura dos olhos.


Os especialistas indicam a regra 20-20-20 para quem passa muitas horas lendo, principalmente em telas. É muito simples. A cada 20 minutos de leitura ou de uso de dispositivos eletrônicos, devemos fazer uma pausa de 20 segundos olhando para uma distância de 20 pés, que equivale a mais ou menos seis metros.


Com essas medidas preventivas, ler não oferece nenhum perigo. Então, comece sua especialização na Monte Pascoal, leia muito na pós-graduação que você escolher, amplie seus estudos e se torne um especialista de referência no mercado profissional.



Fonte: UOL

Imagem: Envato Elements