O mesencéfalo é uma parte essencial do sistema nervoso. É ele que possibilita que várias funções do nosso organismo ocorram. É uma das estruturas do cérebro que se comunica com as principais partes do sistema nervoso central. Ele está localizado no meio do encéfalo, daí o seu nome "cérebro médio". Assim, liga a ponte braquiocefálica ou a ponte Varólio e o cerebelo ao diencéfalo. Além disso, é composto por várias estruturas relacionadas às funções motoras e sensoriais. Falaremos sobre as principais características e funções deste pequeno, mas fundamental, suporte do encéfalo a seguir.

Estrutura do mesencéfalo

O mesencéfalo é a estrutura que está no meio do cérebro. Estende-se desde o diencéfalo até a protuberância. A sua forma é semelhante à de um trapézio, mas com uma base estreita e um pequeno canal que o atravessa: o aqueduto cerebral, também conhecido como aqueduto de Sylvius ou ducto mesencefálico. Este canal permite a passagem do líquido cefalorraquidiano pelo mesencéfalo.

Externamente, apenas a sua face anterior é observada. Para observar as outras partes, é preciso levantar os lobos temporal, occipital e o cerebelo. O limite inferior do mesencéfalo é a ponte de Varólio. O seu limite superior é sinalizado pela continuação das fibras nervosas do nervo óptico, também chamadas de tiras ópticas. Na parte anterior está a fossa interpeduncular, e na parte posterior, a glândula pineal.

Funções do mesencéfalo

As principais estruturas do mesencéfalo são: o tegmento, o tecto e os pedúnculos cerebrais. Falaremos sobre cada um deles abaixo.
Tegmento

Está localizado na área dorsal do mesencéfalo e é composto por três partes:

Substância negra: está localizada na parte superior do mesencéfalo, entre os pedúnculos cerebrais e o tegmento encefálico. É um núcleo motor, composto pela zona compacta e pela zona reticular. A zona compacta contém pigmentos de melanina e tem como principal neurotransmissor a dopamina. A zona reticular não tem melanina, mas um pigmento contendo ferro cujos principais neurotransmissores são GABA e acetilcolina.

Substância cinzenta periaquedutal: se localiza na região subependimária na forma de uma capa. Na sua parte mais central, contém núcleos cranianos fundamentais (II, IV e V). Além disso, participa da modulação da dor e da ansiedade.

Núcleo vermelho: está localizado no centro do mesencéfalo, em ambos os lados da linha média. Consiste em um grupo de neurônios associados a vias extrapiramidais. Tem uma cor avermelhada devido à sua grande vascularização e aos pigmentos citoplasmáticos que contêm ferro.

Tecto

Etimologicamente, significa "teto ou telhado". Constitui a porção posterior do aqueduto cerebral. As suas principais estruturas são:

Colículos inferiores: são responsáveis pelo processamento das vias auditivas. Eles estabelecem a análise e detecção de estímulos auditivos. Portanto, estão relacionados à detecção do som, a sua análise de frequência e as diferenças interaurais de intensidade e tempo.

Colículos superiores: estão conectados ao corpo geniculado lateral pelo pedúnculo cerebelar superior. Eles também são centros de integração sensorial. Além disso, recebem informações visuais e intervêm nos movimentos do pescoço, cabeça e olhos.

Pedúnculos cerebrais:

São dois cordões nervosos brancos que são separados um do outro pela fossa interpeduncular. Eles estão localizados na área superior do tronco encefálico, acima da protuberância anular, e desaparecem nos hemisférios. A sua principal função é comunicar o mesencéfalo com o cérebro. Além disso, os pedúnculos cerebrais são constituídos por fibras nervosas que incluem:

O trato córtico-pontino: é o que une o córtex cerebral com a ponte de Varólio.

O trato córtico-espinhal: liga o córtex cerebral à medula espinhal.

Agora, eles não são semelhantes aos pedúnculos do cerebelo. Entre eles está a fossa interpeduncular, uma região que atua separando essas estruturas. Além disso, a face dorsal e ventral de cada pedúnculo está separada pela substância negra.

Patologias do mesencéfalo

Quando algo falha no mesencéfalo, várias patologias podem ocorrer. É uma zona fundamental para os processos do nosso organismo. Vejamos algumas das consequências do seu mau funcionamento:

Doença de Parkinson: consiste em um distúrbio crônico e degenerativo. Provoca uma perda progressiva da capacidade de coordenar movimentos. Apresenta rigidez muscular, tremores, irritabilidade, bradicinesia, depressão, dificuldade para engolir, hiposmia e disfunção cognitiva, entre outros sintomas. Além disso, esta condição está relacionada ao mesencéfalo. Isto porque contém a substância negra, responsável pelo controle do movimento e coordenação através de neurotransmissores como a dopamina.

Doença de Alzheimer: a doença de Alzheimer é um tipo de comprometimento cognitivo no qual há problemas com a memória, pensamento e comportamento. Os sintomas se desenvolvem lentamente e pioram com o tempo até interferir no desenvolvimento normal do dia a dia da pessoa. Agora, como sugerido por Xavier Girones, Guimerà e Felix F. Cruz Sanches, em seu artigo publicado na Revista Espanhola de Patologia, uma das possíveis causas do Alzheimer é a degeneração neurofibrilar encontrada em várias partes do cérebro que se encontram dentro do mesencéfalo.

Síndrome de Parinaud: também chamada de síndrome mesencefálica dorsal. Recebeu esse nome por Henri Parinaud (considerado pai da oftalmologia). É um grupo de alterações do movimento dos olhos. É causada por lesões na região superior do mesencéfalo. Além disso, a pessoa com essa síndrome apresenta paralisia dos olhos, nistagmo e retração da pálpebra, entre outros sintomas.

Conclusão

O mesencéfalo é o elo que envolve várias partes do cérebro através de suas conexões. Devido ao número e à complexidade das entradas e saídas que possui, qualquer acidente no encéfalo poderá afetar o mesencéfalo, já que é um eixo onde convergem as junções fundamentais do nosso corpo.

Fonte de texto: amenteemaravilhosa.com.br