Sugestões para o cuidador;

Uma pessoa com demência, e em particular com Alzheimer, dependendo do estágio da doença, precisará da assistência de um cuidador para organizar seu dia. Atividades planejadas e assistidas por um cuidador podem aumentar o senso de dignidade e autoestima do paciente dando-lhe mais propósito e significado ao seu dia a dia.

A Terapia Ocupacional recomenda atividades estruturadas e rotineiras, que com a repetição diária, ajudam o paciente a ter noção da hora do dia. Além disso, o paciente pode usar e até mesmo desenvolver suas habilidades, aumentar a qualidade de vida e facilitar o relaxamento. Atividades também podem reduzir comportamentos como perambulação ou agitação.

Ambos, cuidador e paciente podem desfrutar do clima de segurança e participação que as atividades proporcionam.
Pense em como organizar seu próprio dia quando planejar o dia do paciente. De modo geral, é bom manter uma rotina; as mudanças na rotina trazem insegurança. O desafio do cuidador é encontrar atividades que proporcionem significado e propósito, assim como promovam alegria e satisfação.

Para fazer uma lista de atividades, comece lembrando-se do que fez na semana passada. Tente fazer um "diário de bordo" e anote as mais marcantes:

Que atividades funcionaram e quais não? Porque?

Houve momentos em que foi pouco ou foi demais?

Quais atividades esporádicas (passear, visitar um amigo, etc.) deram satisfação, ou, ao contrário criaram ansiedade e confusão?
Baseado nestas conclusões escreva um plano diário. Um dia planejado permite menos perda de tempo e energia, indicando o que fazer momento a momento. Permite a você mesmo e ao paciente alguma flexibilidade para atividades esporádicas(não rotineiras), assim como tempo de descansar.

Como devem ser as atividades:

Ter significado e objetivo.

Utilizar as habilidades do paciente.

Criar uma sensação de normalidade.

Envolver, quando possível, familiares e amigos.

Serem apropriadas para adultos (que não infantilizem o paciente).

Dar alegria e promover a auto estima do paciente.

Enfatize o processo e não o resultado.

Preferidas pelo paciente e executadas nos horários habituais antes de ser acometido pela doença.

Exemplo de um plano diário

Manhã

o Lavar-se, escovar os dentes, vestir-se.

o Preparar o café da manhã

o Tomar café, conversar

o Ler o jornal, tentar um trabalho manual, reminiscências através de fotos

o Fazer um intervalo, ter um tempo quieto.

o Fazer algumas tarefas em conjunto.

o Fazer uma caminhada, aplicar jogos que estimulem a ação cognitiva.

Tarde

o Preparar a refeição e almoçar, ler os emails, lavar pratos.

o Ouvir música, fazer palavras cruzadas, ver TV.

o Fazer um pouco de jardinagem, caminhar.

o Fazer um intervalo ou tirar uma soneca.

o Fazer um passeio, visitar um amigo.

Noite

o Preparar a refeição e jantar, limpar a cozinha.

o Fazer reminiscências durante o café e a sobremesa.

o Jogar cartas, fazer massagem de conforto.

o Tomar banho, se preparar para ir para cama, ler um livro.


Sugestão de planilha

Avaliação do resultado do plano

Avaliar como o plano diário está funcionando, pensar sobre como o paciente responde a cada atividade e como ele consegue preencher suas necessidades. O sucesso de uma atividade pode variar de um dia para o outro. Em geral, se o paciente parece entediado, distraído ou irritadiço, pode ser a hora de introduzir outra atividade ou fazer uma intervalo para descanso.

Atividades estruturadas e prazerosas podem reduzir a agitação e melhoram o humor. A análise prévia do tipo de atividade e como ela é executada e concluída são tão importantes quanto a alegria e a sensação de ter terminado uma tarefa, de ser útil. Após análise e avaliação do grau de satisfação do paciente, introduzir novas atividades ou fazer as adaptações necessárias.

10 dicas rápidas para o cuidador na aplicação das atividades.

1. Seja flexível e paciente. O tempo dele é diferente do seu.

2. Encoraje a participação do paciente nas atividades da vida diária (AVD’s).

3. Evite corrigir o paciente. Ajude-o a refazer.

4. Ajude o paciente a manter-se o mais independente quanto possível.

5. Ofereça oportunidades de escolha no modo de fazer (se ainda for possível o paciente fazer escolhas).

6. Simplifique as instruções. Faça um guia passo a passo.

7. Estabeleça uma rotina que seja familiar.

8. Tente entender e responder aos sentimentos do paciente.

9. Simplifique, estruture e supervisione.

10. Ofereça incentivo e apoio.

Fonte de texto: www.contioutra.com