O pâncreas é responsável não só pela produção de suco gástrico como também é responsável pela produção de hormônios, como a insulina. O carcinoma ductal do pâncreas é originado das células que recobrem os ductos pancreáticos por onde o suco pancreático é conduzido até ser secretado no duodeno. Este é o tipo mais comum e também o mais agressivo de câncer de pâncreas. Outros tipos, como os tumores neuroendócrinos, são menos agressivos e mais raros.

A agressividade do câncer de pâncreas vêm de suas habituais disseminações linfática (acometendo gânglios linfáticos ao redor da lesão) e também hematogênica (disseminação de células tumorais para órgãos à distância através da corrente sanguínea).

Quais são os fatores de risco?

Os principais fatores de risco para carcinoma ductal de pâncreas são tabagismo (fumo) e história de pancreatite crônica (geralmente por consumo prolongado de álcool).

Quais são os sinais e sintomas?

Os sintomas mais frequentes são perda de peso, dor na parte superior do abdômen, icterícia (amarelão da pele e olhos). Além disso, anorexia (perda de apetite) e graus variados de desnutrição podem estar presentes a depender do quão avançada se encontra a doença. A icterícia se dá pela obstrução do colédoco (ducto de drenagem das vias biliares do fígado que carregam a bilirrubina). Devido à compressão ou invasão do colédoco por lesões na cabeça do pâncreas, há acúmulo de bilirrubina e esta passa para circulação sanguínea e seus derivados acumulam-se nos tecidos levando a cor amarelada da pele e das escleras, deixando os olhos amarelados.

Como prevenir este tipo de câncer?

Este é um tipo de câncer bastante relacionado a hábitos de vida, apesar de mesmo pacientes sem história de tabagismo ou alcoolismo poderem apresentar. Sendo assim, a melhor maneira de evitá-los é com hábitos de vida saudáveis evitando fumo e ingesta de álcool. Não há uma justificativa para realização de exames de imagem em pacientes assintomáticos na população. Mas se com a realização destes exames houver a identificação de alguma lesão pré-maligna, estas podem ser seguidas com exames de imagem de rotina ou mesmo operadas a depender de sua apresentação.

Como é tratamento?

O tratamento do câncer de pâncreas depende do tipo de tumor, localização, o quão avançado ele se encontra e do estado geral de saúde do paciente. A cirurgia isolada pode propiciar um tratamento com intenção curativa nas fases iniciais. Mas muitas vezes, faz-se necessário o tratamento complementar com radioterapia e quimioterapia, ou só quimioterapia, que pode ser feito antes ou após cirurgia, a depender da apresentação inicial.

Fonte: Hospital de Câncer de Barretos

Foto: Google