Com a chegada do outono e inverno, o número de espirros aumenta. Nestas estações mais frias chega a aumentar em 40% a incidência das doenças respiratórias, como gripe, rinite e asma. Isso acontece por vários motivos, afirma o pneumologista Roberto Rodrigues Junior, do Lavoisier Medicina Diagnóstica/DASA.

Tudo começa com o próprio frio, que funciona como um irritante para as vias aéreas de algumas pessoas.

Além disso, há redução da umidade relativa do ar, a inversão térmica (responsável pelo acúmulo maior de poluentes na atmosfera); a maior concentração de pessoas em locais fechados e pouco arejados e também o uso de casacos de lã e cobertores, que ficam guardados no armário por longos períodos e acumulam poeira.

Na maioria dos casos, o principal sintoma é o desencadeamento de uma crise alérgica, provocada pela reação de hipersensibilidade do organismo.

Ela acontece quando as pessoas sensíveis a determinadas situações entram em contato com agentes desencadeantes da crise, chamados alérgenos.

Dentre os mais conhecidos, destacam-se a poeira domiciliar, ácaros, pelos de animais, baratas, fungos, polens, além de agentes irritantes como fumo e poluentes.

Mas cada um dos problemas apresenta sintomas específicos. Veja os principais deles abaixo e não deixe de procurar ajuda especializada (de um pneumologista ou de um clínico-geral), caso observe os sinais por mais de três dias seguidos.

Para a maioria das alergias, como a asma, rinite, bronquite e sinusite, o tratamento deve ser focado no bom controle ambiental (evitando os agentes que causam alergias) e uso de remédios para controlar problemas como a dor no corpo, a coriza, a febre e a falta de ar.

Asma: é caracterizada pela presença de inflamação e obstrução reversível das vias aéreas tendo como manifestações clínicas principais tosse, falta de ar, chiado no peito, dor ou aperto no peito.

Rinite: inflamação do nariz e estruturas adjacentes ocasionada pela exposição aos alérgenos caracterizada por espirros em salva, coriza, prurido nasal e congestão nasal. Tanto a asma quanto a rinite são doenças com determinação genética influenciadas por fatores ambientais.

Bronquite: o termo genérico refere-se a uma inflamação dos brônquios, podendo ser ocasionada por infecções, agentes irritantes e alergia. No nosso país, a população frequentemente chama de bronquite o que na verdade é asma.

Sinusite: inflamação dos seios da face apresentando diversos agentes infecciosos desencadeantes.

Gripe: provoca febre, fraqueza, cefaleia e dor no corpo, acompanhada por manifestações do trato respiratório, como tosse e dor de garganta. Há maior risco de complicações, incluindo pneumonia.

Resfriado: é o nome dado para um grupo de doenças causadas por vários vírus. Os sintomas mais comuns são congestão, obstrução nasal e espirros.

Entretanto, no primeiro dia o sintoma que mais incomoda o paciente é, na maioria das vezes, dor e irritação na garganta, sendo esta dor de curta duração, passando os sintomas nasais a predominar no segundo e terceiro dias.

Previna-se

Para evitar as alergias, basta adotar hábitos simples, como:

• Forrar colchão e travesseiro com capa impermeável;

• Retirar tapetes e carpetes da casa, principalmente do quarto do paciente;

• Limpar a mobília da casa com pano úmido com frequência superior a uma vez por semana;

• Retirar as cortinas substituindo-as por persianas que são facilmente limpas com pano úmido ou em caso de cortinas de tecido leve, lave-as a cada 15 dias no máximo;

• Manter sempre a casa arejada e ensolarada;

• Evitar estofados recobertos com tecido;

• Os aspiradores de pó utilizados devem possuir filtro HEPA (modelo que retém 99,9% das impurezas do ar);

• Evitar ter animais de pelo como cão e gato. Mas, se eles forem criados, impedir que circulem dentro de casa ou no quarto do paciente;

• Não fumar dentro de casa;

• Cobertores devem ser substituídos por edredons que possam ser lavados quinzenalmente;

• Evitar, no quarto do paciente, objetos que acumulem poeira como livros, revistas, brinquedos de pelúcia, caixas e quadros;

• Evitar cheiros fortes no domicílio como de tintas, solventes, inseticidas e produtos de limpeza.

Fonte: Minha Vida

Foto: Shutterstock