É preciso ficar atento, pois antecipar o diagnóstico ajuda no tratamento.

Ovários policísticos e hipotireoidismo podem manifestar sinais na pele.

Alguns problemas hormonais podem demonstrar sinais na pele. Você já se olhou no espelho hoje?

É preciso ficar atento, pois antecipar o diagnóstico ajuda no tratamento.

O ginecologista e consultor do Bem Estar Dr. José Bento e a endocrinologista Dra. Dolores Pardini estão no programa para alertar sobre os distúrbios hormonais e como detectá-los.

O ovário policístico é uma alteração metabólica que ocasiona a alteração hormonal. Um dos sinais do problema é a queda de cabelo, o aumento da acne, mais oleosidade na pele e alterações menstruais. É importante lembrar que mulheres com herança familiar, mais gordinhas e com familiares diabéticos tem mais propensão à doença.

O diabetes, por exemplo, pode se manifestar com manchas escurecidas que aparecem nas dobras do pescoço, no antebraço, axilas e cotovelos. Estes sinais podem ser resistência à insulina e, geralmente, aparecem em obesos, mas a pessoa magra também pode ter.

Os hormônios do metabolismo também entram nessa. As pálpebras inchadas com aquela bolsa embaixo dos olhos pode ser sinal de hipotireoidismo. Na verdade, o corpo todo está com líquido retido, mas a pele da região dos olhos é a mais mole e por isso fica mais aparente.

Em casos de hipotireoidismo avançado que não foi tratado, a pessoa não consegue enxergar devido ao inchaço. O hipotireoidismo também pode fragilizar as unhas, que ficam escamando.

A SOP, abreviação usada para a Síndrome dos Ovários Policístico, é um distúrbio que interfere no processo normal de ovulação em virtude de desequilíbrio hormonal que leva à formação de cistos. O aparecimento de cistos durante o processo de ovulação faz parte do funcionamento dos ovários, mas eles desaparecem a cada ciclo menstrual. Em portadoras da Síndrome de Ovários Policísticos (SOP), esses cistos permanecem e modificam a estrutura ovariana, tornando o órgão até três vezes mais largo do que o tamanho normal. A disfunção pode levar à secreção de hormônios masculinos (androgênios) em excesso. A portadora da síndrome ovula com menor frequência e tem ciclos, em geral, irregulares. Calcula-se que a SOP afeta 20% das mulheres durante a fase de vida reprodutiva.

Os fatores que levam ao desenvolvimento da SOP não são totalmente conhecidos, mas ela tem origem genética, em parte, pois irmãs ou filhas de uma mulher portadora do distúrbio tem 50% de chance de desenvolvê-la. Tudo indica que sua origem está associada com a produção da insulina em excesso pelo organismo. O aumento da quantidade dessa substância no sangue (a hiperinsulinemia) provocaria o desequilíbrio hormonal.

O hipotireoidismo é um problema no qual a glândula da tireoide não produz hormônios suficientes para a necessidade do organismo.

A glândula da tireoide é um órgão do sistema endócrino. Ela está localizada na região anterior do pescoço, ao redor da traqueia. Apesar de seu tamanho médio ser de 15 ml (o que dá menos da metade de um copinho de café descartável) ela é responsável pela produção de 2 hormônios: a triiodotironina (T3) e a tetraiodotironina (T4). Estes hormônios controlam como cada célula do corpo gasta energia – o chamado metabolismo.

Fonte: G1

Fonte da imagem: Google