Mais um passo importante foi dado nas pesquisas sobre o Alzheimer. Cientistas britânicos criaram um diferente exame de sangue que pode detectar com antecedência as chances de uma pessoa desenvolver a doença no futuro. O estudo conseguiu identificar um conjunto de proteínas no sangue, que são capazes de prever o surgimento da doença com até 87% de precisão.

Outro exame também foi desenvolvido pelos EUA, através dele o Alzheimer pode ser detectado até 3 anos antes de surgirem os primeiros sintomas. Para atestar a doença nesse exame, os cientistas buscam tipos específicos de gordura no sangue de um paciente. Mais de 90% de precisão foram obtidos com os resultados. Mas, Apesar de todo esse avanço, ainda não há previsão para que o exame esteja disponível em clínicas e hospitais de todo o mundo.

Os primeiros sintomas do Alzheimer só começam a se manifestar uma década depois do início da doença, por isso, o objetivo das pesquisas atuais é identificar e tratar a demência logo em seu estágio inicial, o que irá permitir novos avanços.

Ian Pike, médico da Proteome Sciences, companhia que faz pesquisas na área farmacêutica, considera que o exame de sangue é "um grande passo" nas pesquisas sobre a demência.

"Ainda vai levar tempo e mais testes com pacientes para termos certeza de que esses exames podem ser usados rotineiramente. Mas este processo pode ser iniciado agora", afirmou.

Para os médicos conseguirem confirmar a existência da doença com antecedência, além da análise do sangue, também deverão ser feitos outros exames, como tomografias cerebrais e testes de fluídos da coluna vertebral.

Fonte: CONAZ