Duas mães de Itapetim, no sertão de Pernambuco, falam sobre a angústia de não saber se seus filhos têm a má-formação.
No sertão pernambucano, 11 mães enfrentam a espera pelo diagnóstico para saber se seus bebês realmente têm microcefalia.

Elas moram em Itapetim, a cerca de 400 km do Recife, e mesmo tendo sido notificadas no final do mês de novembro, terão que esperar até o dia 28 de dezembro para que seus bebês sejam examinados no Hospital Oswaldo Cruz, na capital, centro de referência para a investigação da má-formação.

Em todo o Estado, já são 920 notificações — 313 crianças têm o perímetro cefálico (medida da cabeça em sua parte maior) de 32 cm ou menos e se enquadram na definição de microcefalia da Organização Mundial de Saúde.

Para evitar que gestantes do interior tenham que continuar percorrendo longas distâncias para diagnosticar e fazer o acompanhamento médico de seus filhos, o governo de Pernambuco anunciou que tornaria outras cidades do interior capacitadas para atender as crianças com casos suspeitos e confirmados de microcefalia – Serra Talhada, Petrolina e Caruaru.

Tanto as mães como as autoridades locais têm mais dúvidas do que respostas sobre a má-formação e sua relação com o zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Por causa de uma seca prolongada, a cidade não tem água nas torneiras há quase quatro anos. Em abril, chegou a ter o maior índice de infestação em Pernambuco.

O cenário — clima quente e bastante água parada — é propício para a reprodução do mosquito.

Afinal de contas, o que é o Zika vírus?

É um vírus que chegou no Brasil em 2014. É muito pouco agressivo. Dá sintomas parecidos com os de uma gripe como febre intermitente, dores pelo corpo e algumas manchas vermelhas na pele que podem coçar. Depois de 3 a 7 dias, tudo some e a vida volta ao normal. Como os sintomas não levam a maiores desconfortos, muitos nem procuram o médico e nem sabem que tiveram o Zika vírus. E como não são feitos testes diagnósticos de rotina para o Zika, muitos dos que procuraram orientação médica receberam o famoso diagnóstico "é uma virose". Os médicos acertaram! Em 10 dias as pessoas estavam espontaneamente curadas.

Diferentemente dos vírus da dengue e da febre amarela, não há registros de mortes pelo Zika vírus. Mas semelhantemente aos vírus da dengue e da febre amarela, o Zika também é transmitido pelo mesmo mosquito: o Aedes aegypti.

O Zika é para nós um vírus "novo" e por isso o estamos conhecendo melhor agora. No mundo todo, estudos NÃO demonstraram (ainda) a relação entre este vírus e a possibilidade de microcefalia em bebês. Por esta razão, este "surto" que atualmente observamos merece toda a atenção mundial e, enquanto isso, devemos todos permanecer em estado de alerta.

TODOS NÓS. Não só as nossas gestantes e as que querem ser futuras mamães. Simples assim: eliminar este mosquito, evitando sua transmissão e consequentemente proteger nossos bebês é um dever de TODOS NÓS. Como fazer? Todos sabemos: evitar água estocada em casa. Se cada um fizer sua parte, nossos futuros bebês agradecerão.

Para quem deseja engravidar, vale uma conversa com seu obstetra, levando em consideração todos os riscos e benefícios de aguardar um pouco, até que se tenham mais esclarecimentos e orientações atualizadas sobre a associação do Zika com microcefalia. Ponderem e tomem a melhor decisão.

Para quem já está grávida, aqui vão 3 dicas:

1. Coloque telas protetoras em todas janelas e portas da sua casa. Deixe-as sempre fechadas. O Aedes pode entrar durante o dia. Estas telas serão muito úteis, pois depois protegerão o bebê também. É um método de proteção totalmente inócuo para a saúde e extremamente seguro.

2. Quando sair, use um repelente nas roupas e nas áreas expostas. O repelente indicado e eficaz contra o Aedes é o que contém a substância icaridina. Pode ser utilizado em gestantes, e tem uma duração de aproximadamente 10 horas.

3. Sempre que o tempo e a temperatura ambiente permitirem, use roupas que cubram os braços e pernas. Não é nada fácil no verão, óbvio, mas mulheres são especialistas em arrumar soluções interessantes quando se trata de se arrumar e de se vestir.

Fonte: G1