Luvas inteligentes usam seda que muda de cor quando expostas a bactérias perigosas

As luvas cirúrgicas da foto acima podem parecer convencionais. Mas o aviso de cuidado impresso nelas não é comum. Ele é impresso com um composto de seda que muda de cor quando entra em contato com bactérias como a E. coli (causadora da diarreia), gerando uma forma de detectar e evitar a exposição a doenças.

As luvas foram desenvolvidas por uma equipe da universidade de Tufts, nos Estados Unidos, como uma prova de conceito de um novo material de seda. A equipe criou uma forma de unir moléculas de um material composto de seda com outras enzimas, antibióticos, anticorpos e nanopartículas.

No caso da luva, esse material recebeu a injeção de um composto que muda de cor, de azul para vermelho, quando exposto à E. coli. Então, a equipe desenvolveu uma forma para imprimir as moléculas, usando impressão de jato de tinta para fixá-las nas luvas de látex.

O resultado da experiência é um par de luvas cirúrgicas cuja mensagem de aviso impressa na lateral fica vermelha quando entra em contato com bactérias potencialmente danosas à saúde de seres humanos. O estudo, publicado na revista científica Advanced Materials, ainda é uma prova de conceito.

A equipe responsável pela pesquisa espera desenvolver um material composto por biosensores capazes de detectar outras bactérias e moléculas, ou bandagens que consigam injetar medicamentos e antibióticos de forma inteligente em seus pacientes.

Fonte: Exame Abril