Vírus já foi encontrado em leite materno, mas não há relato de contágio. Médica Rosana Richtman fala sobre zika no leite e no sêmen. O zika vírus, que já foi identificado em 18 estados brasileiros e está associado ao aumento de casos de microcefalia no país, é transmitido da mesma forma que a dengue: pela picada do mosquito Aedes aegypti.

A Fiocruz e o Ministério da Saúde desmentiram um boato que passou a circular nas redes sociais sobre o zika vírus, como informou o Jornal Nacional. A gravação diz que o vírus afetaria crianças e idosos. "Isso não é verdade. Não existe evidência científica que possa correlacionar o vírus zika com comprometimento nervoso em crianças menores de 7 anos e com idosos", afirma Rodrigo Stabeli, vice-presiente de pesquisa e laboratório da Fiocruz.

Mas há a possibilidade de o vírus ser transmitido por outros meios? Veja o que a ciência já sabe sobre a possibilidade de transmissão do vírus zika por leite materno, por relações sexuais e por transfusão de sangue.

Leite materno

Um estudo publicado em abril de 2014 na revista médica "Eurosurveillance" relata que amostras de leite materno de duas mães da Polinésia Francesa que tiveram o zika vírus foram testadas e revelaram a presença do vírus.

O estudo destaca, porém, que o fato de o zika vírus replicante não ter sido encontrado nas amostras torna a transmissão por essa via improvável.

O coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueira (IFF) da Fiocruz, João Aprígio, observa que a presença do vírus no leite materno não significa que ele possa infectar o bebê. Até o momento, não existem evidências concretas de que a amamentação seja um meio de transmissão. "À luz dos conhecimentos científicos, não existe contraindicação para que se amamente", diz Aprígio.

Sêmen

Um estudo publicado na revista científica "Emerging Infectious Diseases" em maio de 2011 relata o caso de um cientista americano que, ao voltar do Senegal para os EUA em 2008, quando o país africano era acometido por surto do zika vírus, desenvolveu os sintomas da infecção já em casa, no estado do Colorado. O fato de sua mulher, que não saíra dos EUA, também ter sido infectada pelo zika foi interpretado pelos pesquisadores como um indício de uma possível transmissão sexual, pelo sêmen, do vírus.

"Nessa situação, criou-se uma possibilidade de transmissão sexual", diz o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Érico Arruda. "Mas trata-se de uma situação mais especulativa, mais de interesse acadêmico do que pela perspectiva de isso vir a se tornar algo de importância epidemiológica."

Transfusão de sangue

Arruda tem a mesma opinião sobre a possibilidade de se transmitir o vírus por transfusão de sangue. "Acreditamos que isso tenha um impacto epidemiológico muito pequeno", diz. Um estudo também publicado em abril de 2014 na revista médica "Eurosurveillance" relatou a detecção do zika vírus em amostras de sangue de doadores que não estavam manifestando o sintoma no momento da doação. A coleta de dados foi feita na Polinésia Francesa. Até a publicação do estudo, não havia relatos de contaminações pós-transfusão, porém o fato de o vírus estar lá sugere a existência desse risco.

Fonte: G1