Você prefere Norah Jones ou Ornette Coleman? Bach ou Stravinsky? Coldplay ou Slayer? Essas respostas podem dar uma mostra de como você pensa, segundo uma pesquisa da Universidade de Cambridge. Em um estudo publicado na revista PLOS ONE, uma equipe de psicólogos mostra que o gosto musical define pessoas empáticas (que prestam atenção e respondem às emoções das outras) e sistemáticas (que gostam de analisar regras e padrões).

— Embora as escolhas musicais das pessoas variem ao longo do tempo, descobrimos que os níveis de empatia e o estilo de pensamento de uma pessoa preveem o tipo de música que ela gosta — explica o cientista, saxofonista e autor principal do estudo David Greenberg, do Departamento de Psicologia.

Os pesquisadores realizaram testes com mais de quatro mil participantes, recrutados principalmente através do aplicativo myPersonality app. Os usuários responderam um questionário e depois foram convidados para ouvir e avaliar 50 peças musicais. Foram usados estímulos musicais a partir de 26 gêneros e subgêneros, para minimizar as chances de os participantes terem qualquer associação pessoal ou cultural com a peça de música.

Pessoas que marcaram muitos pontos na empatia tendiam a preferir música suave (R & B, rock suave, e gêneros adulto contemporâneo), música despretensiosa (country e folk), música contemporânea (eletrônica, ritmos latinos, acid jazz e pop) e não gostavam de música intensa, como punk e heavy metal — as preferidas das pessoas que marcaram muitos pontos em sistematização.

Numa análise mais aprofundada, os mais empáticos preferiram música de baixa energia (suave, reflexiva e sensual) ou com emoções negativas (tristes e deprimentes) ou de profundidade emocional (poética e relaxante). Já os sistemáticos optavam pelas músicas de alta energia (forte e tensa) ou de emoções positivas (animada) e que também tinham com um alto grau de profundidade e complexidade cerebral.

Numa análise mais aprofundada, os mais empáticos preferiram música de baixa energia (suave, reflexiva e sensual) ou com emoções negativas (tristes e deprimentes) ou de profundidade emocional (poética e relaxante). Já os sistemáticos optavam pelas músicas de alta energia (forte e tensa) ou de emoções positivas (animada) e que também tinham com um alto grau de profundidade e complexidade cerebral.

Veja o playlist de cada personalidade com base nas conclusões do estudo:

Empáticos

Hallelujah - Jeff Buckley

Come away with me - Norah Jones

All of me - Billie Holliday

Crazy little thing called love - Queen

Sistemáticos

Concerto in C - Antonio Vivaldi

Etude Opus 65 No 3 - Alexander Scriabin

God save the Queen - The Sex Pistols

Enter the Sandman - Metallica

Fonte: O Globo