Atitudes como dormir pouco ou passar muito tempo sozinho podem estar por trás de resfriados constantes, unhas fracas e infecções recorrentes.

Para ter uma imunidade de ferro é preciso alimentar-se bem, fazer exercícios e não exagerar com o stress. A lógica está certísima. Mas seguir apenas essas regras pode não ser suficiente para blindar o sistema imunológico. A qualidade do sono ou mesmo da relações com amigos e parentes são também fatores importantes para que o sistema imunológico mantenha-se protegido de doenças.

Assim, dormir pouco, passar por longos períodos depressivos ou estressantes podem ser algumas das causas menos conhecidas dos resfriados constantes, unhas fracas ou infecções recorrentes. "A baixa imunidade costuma ser mais comum em pessoas de 30 a 50 anos que trabalham demais, sentem-se irritados o dia todo e têm uma alimentação com a falta de algumas vitaminas ou nutrientes", explica o médico João Viola, pesquisador do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e presidente da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI).

Proteção- O sistema imunológico é o responsável pela proteção do nosso organismo contra as doenças. Trata-se de uma barreira formada por milhões de células de diferentes tipos e com diversas funções. Entre elas, estão os anticorpos, organismos responsáveis por eliminar a ameaça causada por invasores externos como vírus, bactérias, protozoários, fungos e até agentes químicos, como venenos. Quando alguma parte desse sistema começa a falhar, os anticorpos não são mais produzidos na quantidade certa ou se tornam incapazes de nos proteger corretamente. Por isso, o corpo fica vulnerável a uma série de doenças.

Alguns dos sinais de que a imunidade não vai bem são herpes, queda de cabelo, unhas fracas, resfriados e, principalmente, infecções. "Não há regra nos sintomas. Eles vão depender do órgão que estiver mais sensível: se forem as vias respiratórias podem aparecer resfriados e gripes", afirma o médico Renato Kfouri, membro da Academia Brasileira de Imunologia.

Quando algumas dessas coisas começarem a aparecer, é hora de prestar atenção no que pode estar causando as brechas na imunidade. Veja abaixo alguns fatores menos conhecidos que derrubam as defesas do organismo e como combatê-las.

Conheça seis causas da baixa imunidade e como combatê-las:

Dormir mal

Dormir menos de 6 horas por noite pode desregular o ritmo circadiano (período de 24 horas em que se completam as atividades biológicas do organismo) causando a falha na produção de substâncias importantes para o bom funcionamento do organismo. Entre elas, os corticoides, anti-inflamatórios do organismo. O sono durante a noite também induz a fabricação de melatonina, hormônio que ajuda na produção de leucócitos que combatem microrganismos e evitam as doenças. Sem eles, a porta fica aberta para as infecções. O ideal é ter de 7 a 8 horas de sono por noite, em um ambiente escuro e silencioso e com utemperatura agradável.

Exagerar no fast-food

A falta de alguns nutrientes causada pela má alimentação afeta o bom andamento do sistema imunológico. A vitamina C é a mais associada a uma boa imunidade, pois é um importante antioxidante. Nosso "exército de defesa" é formado por células que nascem e morrem a todo o momento, em um processo contínuo de renovação: quando há algum quadro de infecção, as células de defesa no organismo aumentam e, quando a resposta inflamatória acaba, as células morrem. A vitamina C evita a morte (ou a oxidação) de parte dessas células, deixando nosso corpo mais preparado para lutar contra agentes externos. É importante, portanto, ter um dieta balanceada com leites e iogurtes (para o fortalecimento do sistema imunológico), cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas, (fontes de zinco), peixes e azeite (contêm ômega-3) e arroz integral, semente de girassol ou soja (com vitamina B).

Viver estressado

Fases de trabalho excessivo ou problemas familiares intensos podem levar a alterações cardiovasculares, como pressão alta e taquicardia. Esse tipo de situação também aumenta a produção de corticoides, hormônios que, em excesso, diminuem a atividade e a eficiência do sistema imunológico. Desregulados por longos períodos, fazem com que as defesas do organismo não respondam rapidamente às ameaças. Para o médico João Viola, pesquisador do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e presidente da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBIM), o ideal é fazer pausas no trabalho para respirar ou ter momentos de folga das discussões familiares. Estudos demonstram que a meditação é um bom aliado para relaxar, lidar melhor com o stress e ampliar as defesas do organismo.

Passar muito tempo sozinho

Um estudo publicado em 2013 mostrou que a solidão pode enfraquecer o sistema imunológico e deixar o corpo mais vulnerável a doenças como herpes ou quadros de inflamações crônicas, como artrite reumatoide e diabetes tipo 2. Isso acontece porque a solidão é um tipo de stress, situação que afeta as defesas do organismo. A melhor arma contra a solidão é procurar amigos, familiares ou colegas de trabalho, que ajudem a relaxar. Outra opção é buscar atividades em grupo, como esportes ou cursos.

Fumar e beber

O consumo prolongado de álcool e cigarro inibe a resposta imunológica do organismo. Isso faz com que algumas infecções, como as respiratórias, de garganta e de boca, tenham espaço para aparecer. Evitar o uso previne não só a baixa imunidade, mas também doenças mais sérias como o câncer de pulmão e de boca. Alguns estudos mostram, no entanto, que o consumo moderado de vinho ou cerveja pode proteger contra doenças cardiovasculares.

Manter hábitos sedentários

Ficar parado por longo tempo diminui o metabolismo e torna o corpo mais lento na hora de produzir as células do sistema imune. Por isso, tente fazer exercícios físicos, com atividades constantes e regulares. Os exercícios aeróbicos, como ginástica ou corridas, são os mais indicados pela Sociedade Brasileira de Imunologia.

Fonte: Veja