Por: Scott TodayIFoundOut

10 de agosto de 2014 às 15:11

Todo mundo conhece alguém que tem problemas na tireoide. Muitas vezes os sintomas causados por doenças que envolvem essa glândula são abrangentes demais e podem variar muito, então as pessoas acabam ficando confusas sobre qual é a função da tireoide e por que ela merece tanta atenção. Vamos desvendar os mistérios dessa pequena glândula endócrina cheia de poderes inexplicáveis.

A tireoide é a maior glândula endócrina independente do corpo. O formato dela se parece com o de uma borboleta e ela fica na parte frontal da sua traqueia, logo abaixo de onde os homens têm o pomo de Adão. A tireoide secreta hormônios que afetam quase todas as células do seu corpo. Apenas o cérebro dos adultos, o baço, os testículos e o útero não são afetados pela tireoide.

Os hormônios da tireoide têm diversas funções, incluindo o controle do metabolismo e da temperatura celular. Eles também têm um papel importante no controle da pressão arterial e da frequência cardíaca, pois ajudam aumentar a quantidade de receptores adrenérgicos (que estimulam as reações de bater ou correr do seu sistema nervoso) nos vasos sanguíneos. A tireoide também é importante para o desenvolvimento dos ossos, do sistema nervoso e do sistema reprodutivo, além de estimular o crescimento dos tecidos.

Na tireoide há dois hormônios principais que causam todos os efeitos citados: a tiroxina (T4) e a tri-iodotironina (T3). A maior parte dos hormônios produzidos pelo corpo têm as proteínas e gorduras como sua estrutura química básica, mas a base dos hormônios da tireoide está no iodo que, por isso, deve ter um lugar de destaque na nossa alimentação. A perdido do governo dos EUA, a Companhia de Sal Morton começou a adicionar iodo ao sal em 1924 para combater a deficiência de iodo e problemas da tireoide. No Brasil, a iodação do sal começou em 1953, mas era feita apenas em áreas específicas. Em 1956, a prática passou a abranger todo o território nacional.

A diferença entre os hormônios é a quantidade de moléculas de iodo deles: o T4 tem quatro e o T3, três. Ainda existem debates sobre a exatidão dos papéis que esses hormônios cumprem no nosso corpo. O que se sabe com certeza é que o T4 é cerca de cinquenta vezes mais comum, mas os efeitos do T3 são cerca de dez vezes mais potentes.

Os hormônios da tireoide afetam o metabolismo, aumentando a fosforilação oxidativa na mitocôndria das células. Se você acha que são sílabas demais para poucas palavras, só podemos dizer que concordamos. Basicamente, as células usam ATP (trifosfato de adenosina) como fonte de energia para metabolizar todos os nutrientes que consumimos e é a mitocôndria que produz o ATP. Dentro das células, os hormônios da tireoide  se ligam à mitocôndria e enviam a ela sinais para aumentar ou diminuir a produção de ATP. Assim, quanto mais hormônios da tireoide estiverem presentes, mais ATP será produzido e, consequentemente, mais rápido será o metabolismo. Aumentando o metabolismo, cresce também a produção de calor; é assim que a tireoide acaba controlando também a temperatura do corpo.

Quase todos os aspectos do crescimento corporal também dependem dos hormônios da tireoide. Embora eles não afetem o crescimento diretamente, são eles que enviam sinais para a produção de quase todos os tipos de fatores de crescimento do corpo. Para sermos mais específicos: somatomedinas, responsáveis pelos crescimento do tecido esquelético; eritropoietina, responsável pelo desenvolvimento das células vermelhas do sangue; fator de crescimento neural, responsável pelo crescimento das células nervosas; e fator de crescimento epidérmico, responsável pelo crescimento e divisão das células. Os hormônios da tireoide também auxiliam na produção de prolactina, hormônio responsável pela produção de leite nas mulheres.

Problemas que podem comprometer o trabalho da tireoide

Agora que sabemos um pouco mais sobre como a tireoide afeta as funções do corpo, vamos falar sobre os problemas que podem ocorrer quando o trabalho desse pequeno burro de carga dá errado.

O hipertireoidismo é uma condição na qual a tireoide produz mais T3 e T4 do que o corpo precisa. Os sintomas giram em torno dos estímulos causados pelo T3 e pelo T4. Por exemplo: aumento do metabolismo, causando perda de peso repentina; nervosismo; ansiedade; irritabilidade e transpiração excessiva. Eles também podem causar mudanças no ciclo menstrual, aumento na frequência de evacuações e intolerância ao calor.

O hipotireoidismo é o exato oposto — os hormônios produzidos pela tireoide não são suficientes para as necessidades do corpo. Os sintomas podem incluir: ganho de peso inexplicável, fadiga, fraqueza muscular, constipação, pele ressecada, depressão, problemas de memória e batimentos cardíacos mais lentos.

Existem outras doenças que podem afetar sua tireoide. Bócio é o termo usado quando a tireoide incha, resultando em uma grande papada sobre a garganta. A causa disso costumam ser as deficiências de iodo e o resultado pode ser hipotireoidismo. A causa mais comum para o hipotiroidismo é conhecida como tireoidite de Hashimoto. Trata-se de uma doença autoimune na qual o sistema imunológico ataca a tireoide do paciente. A doença de Graves é outra moléstia autoimune que estimula excessivamente a glândula tireoide e resulta em hipertireoidismo. Há também a crise tireotóxica, que é uma doença rara. Ela faz com que os níveis de hormônios subam vertiginosamente, causando graves complicações que podem levar a taquicardia, desidratação, insuficiência cardíaca e pode ser fatal.

Como os problemas na tireoide podem causar um monte de sintomas muito comuns, se você suspeitar que está com um problema nessa glândula, é preciso fazer um exame de sangue com urgência. Há vários testes que podem detectar problemas na tireoide, mas o mais comum é o teste de medição do hormônio estimulante da tireoide (TSH).

A hipófise (também conhecida como glândula pituitária) produz esse hormônio em resposta aos níveis de hormônios da tireoide no corpo. Quando os níveis de hormônios da tireoide estão baixos, a hipófise produz mais TSH numa tentativa de fazer a tireoide trabalhar mais. Então, quando o seu médico checa seus níveis de TSH e eles estão muito altos, você pode ter hipotireoidismo; se estiverem muito baixos, você pode ter hipertireoidismo.

Se você tiver alguma disfunção na tireoide, o tratamento consiste em ajustar a produção dos hormônios. Se a sua tireoide produz menos do que deveria, seu médico pode receitar remédios de reposição hormonal. Se a sua tireoide produz demais, o tratamento envolve três objetivos: lidar com sintomas como o batimento cardíaco acelerado, suor excessivo, olhos ressecados e ansiedade; reduzir a produção da tireoide com medicamentos ou iodo radioativo; e, por último, tentar encontrar e solucionar a causa do problema, que pode ser uma das doenças que citamos lá em cima.

No fim, a tireoide afeta quase todas as células do seu corpo. Cuide bem dela

Fonte: Gizmodo.uol