Cientistas de Stanford descobriram uma forma de forçar células resultantes de leucemia a amadurecer em um tipo de célula imunológica que, ironicamente, pode ajudar o corpo a combater o câncer. O estudo, publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, relata que a descoberta foi acidental, eles estavam tentando impedir que o câncer 'morresse' em amostras usadas nos estudos.

A leucemia linfóide aguda (LLA), doença que estava sendo analisada, é um câncer de progressão rápida que ataca os linfócitos, as células brancas do sangue. É extremamente agressiva, com poucas chances de melhora.

Os cientistas de Stanford, para entender melhor esse câncer, analisavam células comprometidas e, para que a pesquisa seguisse, tentavam mantê-las vivas. Em uma dessas tentativas eles notaram que as células começaram a mudar de tamanho, adotando as características de um macrófago, que é uma célula branca responsável por processar corpos estranhos no sangue ou células defeituosas.

Agora o objetivo é analisar se essa conversão é viável clinicamente, dentro do corpo de um paciente.

Fonte: Revista Galileu