Método funcionou em alguns casos, mas ainda deve ser aperfeiçoado.
Resultados foram publicados na revista 'Science Translational Medicine'.

Pesquisadores usaram técnicas de engenharia genética para alterar células do sistema imunológico de pacientes com leucemia linfoblástica aguda, conseguindo que elas destruíssem células cancerosas. O trabalho foi publicado nesta quarta-feira (20) na revista "Science Translational Medicine".

Eles conseguiram fazer com que as células T, um tipo de glóbulo branco, ganhassem receptores artificiais que permitissem a elas reconhecer o câncer como um "inimigo".

Os cientistas, liderados por Renier Brentjens, do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, em Nova York, testaram a efetividade do método em cinco adultos. Um deles teve as células cancerosas reduzidas tão rapidamente que, em oito dias, elas estavam indetectáveis. Outros atingiram estado semelhante num prazo de 18 a 59 dias.

Segundo reportagem do "New York Times", o método é experimental e não funcionou em todos os pacientes – três dos cinco conseguiram se manter em estado de remissão por períodos que vão de 5 a 24 meses. Um outro paciente morreu por motivo alheio ao câncer e o último não apresentou a reação esperada ao tratamento. Ainda assim, o estudo é considerado promissor. A técnica precisa de ajustes finos e aperfeiçoamento para reduzir efeitos colaterais.

A leucemia linfoblástica aguda não é considerada uma forma comum de câncer e atinge mais crianças do que adultos. No entanto, nestes últimos é muito agressiva e, quando a quimioterapia não traz resultado, em geral deixa aos pacientes poucos meses de sobrevida.

Recentemente, chamou a atenção o caso da menina Emma Whitehead, que conseguiu combater uma leucemia graças a uma técnica experimental que usa uma forma deficiente do vírus da Aids para alterar as células do sistema imunológico e fazer com que o próprio paciente elimine a doença.

Fonte: G1