Uma nova técnica, publicada na revista Nature, cortou custos e encurtou prazos para desvendar o código genético humano. À medida que o seqüenciamento genético se torna mais acessível, mais próxima está a chance de se personalizar a medicina e dar às pessoas medicamentos ou indicações do que cada uma precisa de acordo com seu "mapa" genético, aumentando os benefícios e minimizando os efeitos colaterais de tratamentos.

Segundo a agência AFP, em 2003, o Projeto Genoma Humano, um consórcio científico entre setor público e privado, gastou US$ 437 milhões e 13 anos para completar o primeiro seqüenciamento do genoma.

Já o biólogo Craig Venter desenvolveu um método rápido de seqüenciamento, aplicando-o em seu própria genoma. O projeto, concluído em setembro de 2007, custou cerca de US$ 100 milhões.

A nova técnica, desenvolvida pelo Instituto Rothberg para Pesquisas de Doenças Infantis em Connecticut, Estados Unidos, decifrou um código genético humano em apenas dois meses e um milhão de dólares gastos. O método desvendou o genoma de James Watson, ganhador do prêmio Nobel que foi um dos cientistas a descobrir a dupla hélice do DNA.

"Watson é o primeiro de todos nós" disse Jonathan Rothberg, fundador do 454 Life Sciences, grupo que inventou a técnica que desvendou o genoma de Watson à revista National Geographic. Com agências internacionais.

Fonte: Terra