Três mil genomas terão sido sequenciados até janeiro

RIO - Um novo projeto de genética poderia ajudar a "desbloquear uma série de segredos sobre doenças devastadoras", diz o serviço nacional de saúde britânico (NHS, na sigla em inglês).

Onze centros de medicina genômica estão sendo criados em hospitais ingleses para reunir informações de DNA para ajudar a desenvolver tratamentos direcionados para uma ampla gama de doenças. Ele é focado em câncer e doenças genéticas raras.

O objetivo é sequenciar 100 mil genomas dentro de três anos, a fim de desenvolver novos testes e medicamentos. O NHS disse que o objetivo foi de ter o sistema de saúde cientificamente mais avançado do mundo.

Para o câncer, o objetivo é atingir tratamento nas mutações precisas no DNA que causam o tumor de um paciente. O código genético completo - conhecido como o genoma - do tecido saudável será comparado com o tumor.

Pesquisas genéticas anteriores mostraram quanto os tipos de câncer podem ser diferentes - por exemplo, que o câncer de mama não é apenas uma doença, mas, ao menos, 10 - cada um com uma causa e expectativa de vida diferente e cada um precisando de um tratamento diferente.

E o desenvolvimento de medicamentos específicos, tais como Herceptin - dado apenas se o tumor de mama de um paciente tiver uma certa mutação - foi possível por causa da investigação genética. Enquanto isso, os pacientes com doenças raras terão seus genomas comparados com os de seus familiares.

Milhares de doenças genéticas - que são individualmente raras, mas combinadas afetam um grande número de pessoas - poderiam ser identificadas ao encontrar erros nos três bilhões de pares de letras que compõem o nosso código genético. O conhecimento resultante poderia dar aos pacientes uma explicação para uma doença que tem atormentado a vida inteira.

Quinze mil famílias com doenças raras vão participar do projeto.

Os pilotos estão em curso este ano e três mil genomas terão sido sequenciados até janeiro

Nenhum dado produzido no projeto 100 mil Genomas terá identificação do paciente, e todos serão, assim, disponibilizados para as empresas de medicamentos e pesquisadores para ajudá-los a criar remédios para as gerações futuras.

O diretor médico do NHS, Bruce Keogh Prof, disse que o impacto da medicina genômica terá a mesma escala que outros sucessos britânicos, incluindo a vacina contra a varíola e a fertilização in vitro.

O nosso NHS está melhor preparado para a ciência emergente que irá determinar o futuro da medicina prática do que qualquer outro sistema ocidental de saúde — afirmou. — [Ele] nos coloca em uma posição para desbloquear uma série de segredos sobre doenças devastadoras, que permaneceram ocultos durante séculos, para toda a humanidade.

Fonte: O globo