RIO - Queimar calorias sem se exercitar pode ser o sonho de consumo de muita gente. E a boa notícia é que a solução pode estar a caminho. A criação de uma nova pílula que ajudaria o corpo a queimar o excesso de gordura está em estudo pela Universidade de Harvard. Os cientistas acreditam que o medicamento pode chegar a "substituir a esteira". O desenvolvimento do novo medicamento ainda está em seus primórdios, mas, se for confirmado pode representar uma revolução na indústria do emagrecimento.

Segundo o estudo publicado na "Nature Cell Biology", cientistas descobriram como acionar uma molécula capaz de transformar gordura branca, considerada ruim, em gordura marrom, que é boa para o organismo porque exerce um papel fundamental no organismo.

Quando comemos, ingerimos energia. Essa energia serve para manter a temperatura do corpo e fazer o organismo funcionar. Parte do excesso dessa energia é dissipada na forma de calor (ou seja, é queimada em nossas atividades diárias e também na prática de exercícios), mas outra parte se acumula na forma de gordura branca, a que nos deixa gordos. Quanto mais calor é dissipado, menos gordura se acumula.

A gordura marrom, por sua vez, só foi descoberta em 2009. Até então, se acreditava que ela estava presente apenas em roedores e crianças recém-nascidas. Mas, naquele ano, diversos laboratórios comprovaram que ela está presente também em adultos. Está localizada no tecido muscular, entre as fibras musculares. A gordura marrom é responsável pela transformação da energia em calor. Quem dá a ordem para que o processo ocorra é o cérebro, mas são os músculos e a gordura marrom que a executam. A gordura marrom seria, portanto, o principal órgão produtor de calor do organismo.

Segundo cientistas, um passo fundamental na compreensão da obesidade e do emagrecimento seria, justamente, entender quais os mecanismos celulares envolvidos na dissipação de energia e como esimula-los corretamente para aumentar sua atividade. O que os pesquisadores de Harvard descobriram foi uma molécula capaz de transformar gordura branca em gordura marrom, bem como uma maneira de simular a sua produção.

Por isso, os cientistas acreditam que poderiam criar uma pílula capaz de reproduzir esses efeitos. Uma droga chamada Tofacitinib, com principio ativo semelhante, já é comercializada para tratamentos de artrite reumatoide, e também pode ser usada para a obesidade.

Este pode ser considerado o primeiro passo em direção a uma pílula que pode substituir a esteira - disse o coautor Chad Cowan, professor associado do Departamento de Células-Tronco de Harvard e da unidade de Biologia Regenerativa, ao jornal britânico "The Telegrah". - O que vimos aqui foi uma conversão estável das células de gordura branca para células marrons.

TRATAMENTO CONTRA DIABETES

Além de ajudar as pessoas a perderem peso, uma droga que transforma células brancas em células marrons também pode reduzir as chances de desenvolvimento de diabetes tipo 2 e ainda protegeria os pacientes contra doenças do coração.

Esperamos ter resultados muito em breve - disse Cowan ao jornal, comemorando. - Os compostos parecem funcionar da mesma maneira em camundongos, mas não sabemos como seria o metabolismo a longo prazo ou os efeitos produzidos no sistema imunológico.

O endocrinologista Walmir Coutinho, que é membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), afirma que este tipo de medicamento requer muita cautela. Segundo ele a própria pílula do Tofacitinib não teve o uso aprovado na União Eropeia e ainda não foi avaliada no Brasil. Por ora, é usada nos Estados Unidos com tratamentos que custam, em média, US$ 2 mil e já é associada a problemas como riscos de infecções.

Até um medicamento desse chegar ao mercado com segurança, são necessários estudos clínicos bem abrangentes, com não menos do que cinco mil pacientes - ilustra, dizendo que o processo pode levar seis anos

Já o vice-presidente do Departamento de Obesidade da SBEM, João Eduardo Nunes Salles, lembra que, uma vez aprovado, dificilmente um medicamento seria tão eficiente quanto a prática de exercícios:

Ele nunca terá os mesmo benefícios que os exercícios trazem para o sistema cardiovascular, por exemplo. O medicamento pode ser, no máximo, um aliado

Fonte: O globo