É possível evitar 40% dos casos da doença com os programas personalizados

As medidas de prevenção do câncer podem ser personalizadas, indicadas de acordo com o histórico familiar do paciente, no caso de transmissão genética da doença. De 5% a 10% dos cânceres são hereditários e é possível detectá-los antes da manifestação dos sintomas, aumentando consideravelmente as chances de cura. O Aconselhamento Genético permite descobrir se o risco de câncer é alto, intermediário ou baixo, antecipando a adoção de um programa preventivo.

São indicadas para a consulta as pessoas que têm pelo menos dois parentes próximos com qualquer tipo de câncer, se algum teve câncer antes dos 40 anos de idade, se teve mais de um tumor ou se houve caso de câncer em crianças na família.

Os pacientes que recorrem ao Aconselhamento Genético passam, em média, por três consultas. Na primeira, é feita a árvore genealógica da família, chamada heredograma, e o risco de o paciente ter câncer é calculado por fórmulas matemáticas que consideram o estilo de vida da pessoa. Na segunda visita ao oncogeneticista, será traçado o programa preventivo individualizado para aquele paciente, além de encaminhamento psicológico e nutricional.

Se o risco for alto, ou seja, se for detectado um câncer hereditário, aconselhamos o teste de DNA na terceira consulta. "Primeiro, é coletado sangue de quem teve câncer e, depois, desenvolvido um exame para toda a família", explica Casali – um dos sete geneticistas do Brasil que fazem Aconselhamento Genético Oncológico e o único do Rio de Janeiro.

Com o teste de DNA, é possível descobrir os integrantes da família que herdaram a alteração genética e iniciar seu programa de prevenção, que inclui orientação nutricional, exercícios físicos, tratamento do tabagismo e exames médicos frequentes. É possível evitar 40% dos casos de câncer, acrescenta o oncogeneticista.

Fonte: Grupo Coi