Passamos 95% da nossa existência como humanos sem comer arroz, feijão ou pão. Por conta disso, o nutricionista Loren Cordain, da Universidade do Colorado, defende que o nosso corpo não foi feito para o consumo de grãos. E que deveríamos voltar a comer só o que nossos ancestrais caçavam e coletavam no Paleolítico. Conheça a dieta "Paleo".

Desde o surgimento do Homo sapiens, há 200 mil anos, até o surgimento da agricultura, há apenas 10 mil, comíamos muita gordura (dos animais de caça). Mas isso não é visto hoje como um hábito saudável. A dieta Paleo defende o consumo de gordura mesmo assim?

A ideia de que a gordura encontrada na carne pode fazer mal não é verdadeira. Esse argumento tem sido revertido nos últimos anos. Hoje existem análises mais abrangentes sobre o efeito saudável da gordura animal. Ela não tem efeito nocivo nem causa doenças. Menos ainda dentro do contexto da dieta Paleo, que restringe comidas processadas e açúcar refinado.

A dieta permite todos os vegetais e frutas ou só aqueles que eram consumidos antes do surgimento da agricultura?

Há algumas exceções. As batatas cultivadas hoje têm características nutricionais, como uma carga glicêmica alta, que não existiam em raízes de tubérculos selvagens. Além disso, o consumo ilimitado de frutas secas também representaria uma glicemia elevada. O milho por exemplo é um grão, e grãos não fazem parte do menu Paleo. Vagens e amendoins também são leguminosas que não eram consumidas frequentemente em tempos pré-agrícolas.

Qual seria a diferença fundamental entre a dieta Paleo e outras parecidas, como a dieta da proteína?

A nossa não é exatamente uma dieta, mas um programa de alimentação para a vida toda. O objetivo é maximizar a saúde e o bem-estar, imitando as características nutricionais da alimentação de nossos ancestrais pré-agricultura. A base são carnes frescas, frutos do mar, peixe, vegetais, frutas, sementes e nozes. A dieta Paleo é rica em proteínas, sim, mas também tem uma carga glicêmica baixa, já que todos os carboidratos vêm de fontes como frutas.

A exclusão de grãos e de leite é a parte mais controversa da dieta. Por que não comê-los?

Cerca de 65% da população mundial tem intolerância a lactose e nos Estados Unidos a percentagem de pessoas com intolerância ao glúten é entre 10 e 15%. Além disso, esses alimentos são nutricionalmente inferiores em comparação com carnes e vegetais.

E quais foram os resultados para a sua saúde?

Notei um crescimento da massa muscular, sem aumentar meus treinos. Sigo essa alimentação desde 1991 e a dor na coluna que me incomodava desde a adolescência foi eliminada. Meu sono é melhor, tenho mais energia e me libertei das doenças respiratórias que me acometiam.

Fonte: Super Abril