Tem gente que para de comer glúten ou para de tomar leite porque está de dieta, mas tem também aqueles que fazem isso porque não podem comer ou beber nada disso, porque tem algum tipo de alergia ou intolerância, por exemplo. Mas como identificar se é um problema ou outro? No Bem Estar desta quarta-feira (12), a gastroenterologista pediátrica Vera Lucia Sdepanian e a alergista Ariana Yang explicaram as diferenças entre as reações e sintomas.

No caso da alergia, o sistema imune reage a uma quantidade – pequena ou grande – de uma proteína do alimento, como a do leite, por exemplo, o que causa uma inflamação que envolve todos os órgãos, como a pele e o sistema respiratório.

Na maior parte das vezes, a reação é imediata, com risco até mesmo de morte, como alertou a alergista Ariana Yang. Mas vale ressaltar que a alergia ao leite tem cura: espontânea, quando a criança melhora sozinha depois que cresce, ou através do tratamento de dessensibilização, com acompanhamento médico, em que o corpo vai "se acostumando" com o leite

Em alguns casos, as reações alérgicas podem também ser um pouco mais tardias, o que faz muita gente confundir com a intolerância a lactose. Nesse caso, o problema não é a reação do sistema imune, como explicou a alergista Ariana Yang, mas a dificuldade em digerir algum componente daquele alimento, o que dá aquela sensação de empachamento. Não há risco de morte e as reações podem ser tardias, não só com barriga inchada, mas também com gases, dor e diarreia, justamente porque o organismo não têm substâncias para concluir aquele processo digestivo.

A gastroenterologista pediátrica Vera Lucia Sdepanian falou também sobre intolerância ao glúten, problema que pode se iniciar em qualquer fase da vida. O problema é que, se o diagnóstico for tardio, tudo o que o paciente ingeriu antes pode trazer consequências, como problemas de ganho de estatura, ganho de peso e atraso de puberdade, no caso dos adolescentes, por exemplo. O principal sintoma é a diarreia, mas a médica explica que é importante prestar atenção a outros sinais de alerta, como a osteoporose, por exemplo, que também pode ter relação com a intolerância ao glúten.

Por último, as médicas alertaram que pessoas que não têm nenhum tipo de intolerância ou alergia alimentar não precisam restringir alimentos da dieta, já que essas substâncias são importantes na alimentação, na quantidade ideal. Já quem tem algum desses problemas, é fundamental ler sempre o rótulo dos produtos industrializados e processados, para verificar se não há glúten ou leite, por exemplo, como uma maneira de evitar crises e reações mais sérias.

Fonte: Bem Estar