É comentário frequente nos espaços por onde circulam jovens que essa população anda bebendo cada vez mais. Como será que isso afeta a vida sexual? Sexo combina com álcool? Há diferenças nos efeitos em homens e mulheres? Como lidar com essa e outras questões em torno deste tema tão complexo, e que a gente precisa se informar para viver com mais saúde e prazer?

Os efeitos do álcool no desempenho sexual costumam não ser tão agradáveis como muitas pessoas pensam. Beber uma dose até que tudo bem. Mas exagerar no consumo pode trazer as seguintes desvantagens sexuais:

Perda da ereção – O homem sob o efeito de grande dosagem de bebida alcóolica pode ter dificuldades para conseguir ter e manter a ereção caso resolva se relacionar sexualmente com alguém logo após toda essa farra. Ocorre que o álcool desacelera o corpo como um todo e faz com que os estímulos sexuais demorem mais tempo que o usual para despertar as sensações eróticas. Em alguns casos, essas sensações nem chegam a ser minimamente despertadas. A bebida em excesso amortece todo o corpo, e pode fazer o mesmo com o desempenho sexual masculino.

Dificuldade para atingir ao orgasmo – A mulher que bebe em excesso, muitas vezes com a ideia de que com isso vai se soltar mais na cama, corre o risco de ver seus planos de prazer frustrados em grande medida. Assim como ocorre com o corpo masculino, a dosagem exagerada de álcool no organismo feminino vai fazer muito mais do que apenas deixar a mulher mais relaxada. Sua capacidade de sentir as carícias como algo erótico pode ficar prejudicada e, com isso, a possibilidade de chegar a um ponto máximo de prazer (ao clímax sexual que é o orgasmo) fica comprometida.

Baixa de desejo – Para ambos os sexos, o desejo sexual pode ir embora com o uso em excesso de bebida alcoólica. Isso porque os nossos sentidos ficam todos comprometidos com o álcool: o tato, o olfato, a visão, a audição e o paladar se alteram. E para sentir desejo, o primeiro passo é a estimulação desses sentidos. A imaginação também costuma ser um ingrediente poderoso para desencadear os mecanismos de prazer, mas quando os órgãos de sentido estão desacelerados, fica bastante difícil ou até mesmo impossível abrir as portas para o apetite sexual feminino e masculino.

Sexo não combina mesmo com bebida alcoólica além do limite, e isso vale tanto para o homem como para a mulher. O desafio é aceitar essa ideia e lutar para conseguir transformar o jeito de ser e de agir na hora do lazer e do divertimento.

Vale saber que o prejuízo de misturar sexo com álcool pode ir, infelizmente, bem além da perda do prazer. Ao olhar para a saúde sexual, observa-se uma desvantagem significativa de quem bebe muito em relação às pessoas que não bebem ou se controlam na dosagem. E isso se deve especialmente ao uso da camisinha: é crescente o número de homens e mulheres que não utilizam preservativo nas transas que rolam sob efeito de bebida. Por quais motivos? Na maioria das vezes, por nem se dar conta ao certo do que está ocorrendo naquele momento. A camisinha acaba nem sendo lembrada, mesmo que a intenção antes de toda a bebida fosse de utilizar o preservativo na hora do sexo. No dia seguinte, muitas vezes não se sabe ao certo também o que rolou: se usou ou não a camisinha e como foi a transa na totalidade. Foi boa? Foi ruim? Mais ou menos? Em alguns casos, não há memória desses momentos devido aos efeitos do álcool.

Além do prejuízo no prazer, o risco de esquecer a camisinha e se contaminar com as doenças sexualmente transmissíveis, incluindo a aids, precisa ser levado em conta na hora de decidir se vale combinar sexo com álcool. A decisão está com você! Que tal priorizar uma vida mais saudável e mais prazerosa? Você consegue sim se divertir (e muito) sem precisar exagerar na dose. Acredite!

Fonte: Bayer Jovens