O tratamento para leptospirose, normalmente, pode ser feito em casa com a ingestão de antibióticos, como Ampicilina ou Amoxicilina, durante 5 a 7 dias. mas deve ser orientado por um clínico geral, no caso do adulto, ou por um pediatra, no caso das crianças, pois é necessário tomar antibióticos, como Ampicilina ou Amoxicilina, durante 5 a 7 dias.

Além disso, o médico também pode receitar o uso de outros remédios como:

Antipiréticos, como o Paracetamol, para ajudar a diminuir a febre e aliviar a dor de cabeça;

Analgésicos anti-inflamatórios, como o Ibuprofeno, para reduzir as dores corporais, especialmente dor muscular.[/p]

Durante o tratamento o paciente pode apresentar efeitos secundários dos antibióticos, especialmente diarreia, náuseas e vômitos e, por isso, é importante manter uma boa ingestão de líquidos, como água, chá ou água de coco, por exemplo.

Já nos casos mais graves de leptospirose, em que surge icterícia ou que vários órgãos, como os rins, são afetados, o Ministério da Saúde recomenda o internamento do paciente para fazer Penicilina na veia e ser constantemente observado, uma vez que há risco de complicações nos pulmões, rins e coração.

Sinais de melhora da leptospirose

Os sinais de melhora da leptospirose surgem após cerca de 4 dias do início do tratamento e incluem temperatura corporal inferior a 38ºC, redução da dor muscular e diminuição das náuseas e vômitos.

Sinais de piora da leptospirose

Os sinais de piora da leptospirose estão relacionados com o surgimento da doença em outros órgãos como rins, pulmões ou coração e, por isso, podem incluir dificuldade para respirar, palpitações, dor forte no peito, pele e olhos amarelados, inchaços no corpo ou convulsões, por exemplo.

Complicações da leptospirose

As complicações da leptospirose surgem quando o tratamento não é iniciado rapidamente e podem incluir hepatite, infecções pulmonares, parada renal, infecções do cérebro ou parada cardíaca.

Fonte: Tua Saúde