Um projeto de pesquisa realizado pela Universidade Federal do Acre (UFAC), coordenado pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), avalia o impacto da malária em gestantes. A pesquisa revela que a doença está causando abortos e partos prematuros, além de outras complicações às mães e aos bebês.

A fase de coleta de material do projeto está sendo realizada em Cruzeiro do Sul (AC), que há anos vive um quadro de epidemia de malária. A pesquisa faz parte da tese de doutorado do professor Rodrigo Medeiros, da UFAC, e da enfermeira Jamille Dombrowski, da USP. Os pesquisados acompanharam até agora 363 gestantes que contraíram malária, destas 120 foram infectadas pelo parasita plasmodium falciparum, 189 pelo plasmodium vivax e 54 pelos dois tipos. Seis casos de aborto e 12 partos prematuros foram realizados por consequência da malária, segundo avaliação dos pesquisadores.

Outras 211 gestantes que não contraíram malária também estão sendo acompanhadas para servir de comparativo. "Quase 80% das mulheres que contraíram malária causada pelo plasmodium vivax tiveram duas ou mais infecções e isso é preocupante. Esse plasmodium não pode ser visto pelos profissionais de saúde como a malária benigna, às vezes existe uma preocupação que apenas a malária causada pelo plasmodium falciparum é grave, mas o outro tipo está causando mais complicações", alerta o professor Rodrigo Medeiros.

As gestantes são acompanhadas durante o pré-natal com visitas domiciliares e no momento do parto, onde o bebê também é avaliado. Todo material colhido será levado para o Instituto de Ciências Biomédica da USP para ser analisado sob a coordenação do professor Claudio Marinho, que desenvolve no mesmo projeto sua tese de pós-doutorado.

As gestantes são acompanhadas durante o pré-natal com visitas domiciliares e no momento do parto, onde o bebê também é avaliado. Todo material colhido será levado para o Instituto de Ciências Biomédicas da USP para ser analisado sob a coordenação do professor Claudio Marinho, que desenvolve no mesmo projeto sua tese de pós-doutorado.

O resultado do projeto que deve ser concluído em um ano e três meses, segundo Rodrigo Medeiros, pode ajudar em novos métodos de atendimento a mulheres grávidas que contraírem malária e até inserir o exame para a doença nas consultas de pré-natais.

"Existem muitos casos de malária que não apresentam sintomas na gestante, enquanto isso, a criança pode estar sendo prejudicada, por isso é importante fazer o exame. Outro ponto é que podemos apresentar proposta ao Ministério da Saúde sobre os medicamentos, sugerindo outra medicação que não cause tanto impacto a gestante que contrair malária", explica.

Ao todo 12 pessoas trabalham no projeto com previsão de ser concluído em mais de um ano e mesmo em andamento venceu o Prêmio Jovem Pesquisador 2014, durante o 50° Congresso de Medicina Tropical realizado em Rio Branco, no final do mês de agosto.

Fonte: G1