Alterações nas características normais das fezes podem ser o primeiro sinal de uma doença do trato gastrointestinal. Infelizmente, muitas pessoas não têm o hábito de verificar a aparência das fezes após cada evacuação, deixando passar sinais claros de um problema digestivo.

No fundo, apesar de ser tratada com nojo e com desdém, a produção de fezes é um mecanismo fisiológico igual a muitos outros do nosso organismo. As fezes não são nada mais do que as sobras não absorvidas dos alimentos que consumimos ao longo do dia misturadas com secreções do trato intestinal, como a bile.

Formato normal das fezes

Antes de falarmos das alterações, faz-se necessário explicar como é a aparência normal e desejada das fezes.

Em 1997 foi proposta uma classificação das formas mais habituais das fezes, chamada de Escala de fezes de Bristol.

Esta escala é dividida em 7 tipos de fezes, de acordo com a velocidade do trânsito intestinal.

Os tipos 1 e 2 ocorrem em pessoas com trânsito intestinal lento, com pouca fibra na alimentação e tendência à constipação intestinal.

Os tipos 3, 4 e 5 são considerados as formas normais, sendo o tipo 4 a forma mais saudável e desejável das fezes.

Os tipos 6 e 7 indicam um transito intestinal acelerado, com menos tempo para absorção de água e nutrientes, sendo considerados diarreia.

Obs: As fezes do tipo 5, se não tiverem bordas bem definidas e boiarem, podem indicar um trânsito intestinal acelerado, com fezes ricas em gases, carboidratos e/ou gordura. Neste caso, ela é um tipo de diarreia, não sendo uma forma desejável de evacuação.

Portanto, as fezes normais são sólidas, moldadas em forma de salsicha, úmidas, têm coloração acastanhada, não causam dor para sair e não apresentam nenhuma outra alteração, como presença de muco, pus ou sangue.

Muco nas fezes

Uma das maiores dúvidas quanto à aparência das fezes é em relação ao significado da presença de muco nas fezes.

A ocorrência de fezes com muco em um paciente assintomático, saudável e com as fezes aparentemente normais não costuma ser sinal de nenhum problema relevante. Este muco nas fezes é apenas um resquício do muco presente na parede dos intestinos, cuja a função é lubrificá-la para facilitar a passagem do transito intestinal. Portanto, pequenas quantidades de muco pode surgir de forma intermitente nas fezes sem que isso signifique qualquer problema de saúde.

Entretanto, se a eliminação de muco for muito frequente e em grande quantidade, isso pode sinal de algum problema intestinal. O mais comum deles é a síndrome do intestino irritável, uma alteração benigna do funcionamento do intestino. Neste caso, o aparecimento de muco costuma vir acompanhado de diarreia ou constipação intestinal (ou ambos de forma alternada). Cólicas também são um sintoma muito comum.

A presença de muco nas fezes torna-se um sinal relevante caso o paciente também tenha outras alterações, principalmente diarreia com pus e/ou sangue nas fezes. Neste caso, as possibilidades de diagnósticos incluem gastroenterites infecciosas, especialmente se o paciente tiver febre, e doenças inflamatórias intestinais, como Doença de Crohn ou retocolite ulcerativa.

A presença de muco e sangue nas fezes em pacientes com mais de 50 anos pode ser um sinal de tumor intestinal.

Mudança de cor das fezes

As fezes são formadas por uma mistura que contém restos alimentares não absorvidos, alimentos não digeridos, bactérias, água, enzimas digestivas e bile. A presença da bile é que dá a coloração habitual das fezes, que varia de castanho claro a castanho escuro.

A alteração da cor das fezes pode ser uma importante dica sobre o estado de saúde do trato gastrointestinal.

Fezes verdes

A bile é uma substância produzida no fígado, excretada no intestino e eliminada junto às fezes. A bile é um pigmento esverdeado que se torna marrom após sofrer ação de bactérias e das enzimas digestivas do trato intestinal.

Fezes com tons esverdeados podem ocorrer sempre que algo impede que a bile se torne marrom. A causa mais comum é diarreia, que torna o transito intestinal muito rápido, diminuindo o tempo de exposição da bile a bactérias e a enzimas digestivas.

Um grande consumo de vegetais verdes, como espinafre, brócolis e alface, por exemplo, também pode tornar as fezes esverdeadas.

Outras causas de fezes verde nos adultos são:

  • Consumo recente de antibióticos, que podem reduzir a flora bacteriana normal dos intestinos
  • Ingestão de alimentos ou bebidas com corantes verdes
  • Ingestão de ferro (geralmente provoca fezes negras, mas em alguns casos ela pode tornar-se verde escuro)

Fezes verdes nos bebês também é um achado comum, principalmente naqueles ainda sob aleitamento materno exclusivo. Esses bebês podem ainda não ter uma flora bacteriana intestinal totalmente desenvolvida, por isso, a bile não adquire sua coloração castanha característica. Em geral, neste grupo, as fezes são esverdeadas ou meio amareladas.

Nos bebês recém-nascidos, as primeiras evacuações, chamadas de mecônio, são fezes viscosas e de coloração verde bem escuro. Essas fezes são formadas ainda dentro do útero e vão se tornando mais claras com o passar dos dias, conforme novas fezes são produzidas a partir da digestão do leite materno.

Fezes pretas

Fezes negras costumam ter duas origens:

  • Sangramentos do trato gastrointestinal alto, ou seja, esôfago, estômago ou duodeno
  • Consumo de suplemento de ferro ou outros medicamentos, como salicilato de bismuto

Quando as fezes negras são causadas por sangramento do esôfago, estômago ou duodeno, elas ocorrem devido à digestão do sangue, que precisa percorrer todo o trato intestinal antes de ser eliminado junto às fezes. Além de negras, as fezes com sangue digerido costumam ser pastosas, grudentas e com odor muito forte e desagradável. Este tipo de fezes recebe o nome de melena.

Já as fezes escuras provocadas pelo consumo de ferro se distinguem da melena por não terem o forte odor desagradável e pela sua consistência, que não costuma ser pastosa nem grudenta.

Fezes amarelas ou gordura nas fezes

Fezes amareladas costumam ser causadas por deficiência na absorção de gorduras digeridas ou por redução da concentração de bile nas fezes.

Pacientes que frequentemente evacuam fezes amareladas, principalmente se elas boiarem ou tiverem gotas de gordura (tipo gotas de óleo) ao redor, devem procurar orientação médica, pois estes são sinais de problemas na digestão da gordura ingerida. Algumas doenças que podem causar má-absorção de gorduras são:

  • Pancreatite
  • Doença celíaca
  • Giardíase

Fezes amareladas que ocorrem de forma esporádica, associadas a quadro de diarreia de curta duração, não têm grande importância, pois são problemas de absorção transitórios causados, geralmente, por alguma intoxicação alimentar ou gastroenterite viral.

Problemas do fígado que provoquem redução do volume de bile excretado nas fezes também podem levar ao aparecimentos de fezes de cor amarelo claro.

Fezes brancas ou fezes claras

A ausência de bilirrubina faz com que as fezes tenham uma coloração bem clara, algumas vezes, elas chegam a ficar brancas. Doenças como cirrose e hepatite podem provocar fezes claras, que habitualmente estão associadas à presença de icterícia (pele amarelada).

Sangue nas fezes ou fezes vermelhas

A presença de sangue envolto nas fezes é habitualmente provocada por lesões do reto, principalmente hemorroidas ou fissura anal.

Apesar da maioria dos casos de fezes com sangue ser provocada por lesões benignas do ânus e do reto, a presença de sangue nas fezes também pode ser um sinal de doença dentro do cólon, como tumores, diverticulite ou ou doença inflamatória intestinal.

Disenterias causadas por gastroenterites bacterianas também podem provocar fezes sanguinolentas.

É importante não confundir a presença de sangue nas fezes com fezes apenas de coloração avermelhada. Esta última pode ocorrer por consumo de alimentos ou bebidas com corantes de cor vermelha, consumo grande de beterraba, tomate ou cranberry.

Outras alterações comuns na aparência das fezes

Além das alterações da aparência das fezes já descritas, há várias outras que podem estar presentes. Vamos citar algumas delas:

Fezes em fita

Fezes em fita, ou seja, fezes bem finas e compridas costumam ocorrer na síndrome do intestino irritável, mas pode ser um sinal de câncer de cólon, principalmente se ela vier acompanhada de sangramento.

Restos de alimentos nas fezes

Nem tudo que se consome é facilmente digerido. Alimentos como feijão, milho e vários outros vegetais são ricos em fibras ou celulose e podem ser identificados nas fezes sem que isso tenha qualquer relevância clínica.

Alimentos não digeridos nas fezes só são um sinal de problema caso eles venham acompanhados de diarreia persistente, perda de peso ou outras alterações nos seus hábitos intestinais.

Fonte: MD.Saúde