O vírus Ebola é um vírus que é transmitido por pessoas ou animais infectados através do contato sanguíneo, secreções respiratórias ou outros fluidos corporais que causa febre hemorrágica, sendo uma doença viral muito perigosa que leva à morte entre 50% a 90% dos casos.

Esta doença é frequente nos países africanos, pois o primeiro caso ocorreu no Congo, no entanto ela já se propagou para outros lugares da África como Sudão, Uganda, Costa do Marfim e Gabão. Ainda não foram registados casos do vírus Ebola no Brasil.

Morcegos frutívoros são considerados os hospedeiros naturais do vírus Ebola. A taxa de fatalidade do vírus varia entre 25 e 90%, dependendo da cepa.

Há cinco espécies do vírus Ebola: Bundibugyo, Costa do Marfim, Reston, Sudão e Zaire, nomes dados a partir dos locais de seus locais de origem. Quatro dessas cinco cepas causaram a doença em humanos. Mesmo que o vírus Reston possa infectar humanos, nenhuma enfermidade ou morte foi relatada.

O Ebola pode ser contraído tanto de humanos como de animais. O vírus é transmitido por meio do contato com sangue, secreções ou outros fluídos corporais.

Agentes de saúde frequentemente são infectados enquanto tratam pacientes com Ebola. Isso pode ocorrer devido ao contato sem o uso de luvas, máscaras ou óculos de proteção apropriados.

Sintomas

No início, os sintomas não são específicos, o que dificulta o diagnóstico. A doença é frequentemente caracterizada pelo início repentino de febre, fraqueza, dor muscular, dores de cabeça e inflamação na garganta. Isso é seguido por vômitos, diarreia, coceiras, deficiência nas funções hepáticas e renais e, em alguns casos, sangramento interno e externo. Os sintomas podem aparecer de dois a 21 dias após a exposição ao vírus. Alguns pacientes podem ainda apresentar erupções cutâneas, olhos avermelhados, soluços, dores no peito e dificuldade para respirar e engolir.

Diagnóstico Laboratorial

Esse pode ser feito por: ELISA para detecção de antígeno em sangue, soro e macerado de órgãos.
Detecção de antígeno viral em hepatócitos por meio de anticorpo monoclonal, por imunofluorescência indireta, ou isolamento por inoculação em cobaias ou cultura de células.
ELISA para detecção de anticorpos das classes IgM e IgG.
Nos exames inespecíficos, observa-se leucopenia com linfocitopenia, nas fases iniciais, e leucocitose com neutrofilia, nas fases avançadas; plaquetas e proteínas diminuídas; tempo de protrombina prolongado; enzimas hepáticas e uréia elevadas. Os níveis de proteínas e potássio encontram-se baixos.

A realização de todos os exames laboratoriais são extremamente perigosos e só devem ser efetuados em locais com proteção adequada.

Fonte: MSF- Médicos sem fronteiras