A doença de von Willebrand (DvW) é a coagulopatia hereditária mais comum em diferentes populações humanas. Foi descrita pela primeira vez em 1926, por Eric von Willebrand, como uma doença hemorrágica hereditária em membros de uma família proveniente da ilha de Föglö, localizada entre a Finlândia e a Suécia.

A DvW caracteriza-se por uma deficiência quantitativa e/ou qualitativa do fator de von Willebrand (VWF – von Willebrand Factor), uma glicoproteína plasmática complexa sintetizada pelos megacariócitos e células endoteliais e que circula na forma de multímeros com peso molecular variando de 500 a 20.000 Kda.

O von Willebrand Factor apresenta sítios de ligação ao colágeno, às glicoproteínas plaquetárias (GPIb e GPIIb-IIIa) e ao fator VIII da coagulação (FVIII), justificando seu importante papel no sistema hemostático. As duas principais funções do VWF são:

1- adesão plaquetária ao colágeno exposto do subendotélio, após lesão vascular, levando a ativação plaquetária com exposição da GPIIb-IIIa e subseqüente agregação plaquetária;
2- ligação com o FVIII, evitando sua proteólise e promovendo sua estabilização no plasma.

As diferentes funções do VWF são relacionadas a domínios específicos da molécula da proteína, por exemplo, o domínio A1 está envolvido na ligação do VWF à GPIb plaquetária e ao colágeno fibrilar. No domínio A3 encontra-se um sítio de ligação ao colágeno tipo III. No domínio D3 encontram-se os sítios de ligação ao fator VIII. Finalmente, na porção carboxi-terminal do domínio C2 encontra-se um sítio de ligação à GPIIb-IIIa plaquetária.

Fonte: Fleury