A leucemia refere-se a um grupo de cânceres que afetam as células brancas do sangue. É uma enfermidade que se desenvolve na medula óssea, parte do corpo que produz as células sanguíneas, (células vermelhas, células brancas, e plaquetas). Um organismo com leucemia produz exageradamente certos tipos de glóbulos brancos, chamados blastos (células muito jovens), causando infecções, anemia e sangramento excessivo.

A causa exata ainda não é conhecida, mas a doença é influenciada por fatores genéticos e ambientais e resultam de mutações somáticas no DNA, as quais podem ocorrer espontaneamente ou em função de exposição à radiação ou a substâncias cancerígenas, e tem sua probabilidade influenciada por fatores genéticos.

"Acredita-se que uma alteração na estrutura genética cause anomalias e multiplicação descontrolada dos glóbulos brancos. A origem desta alteração é ainda desconhecida, porém suspeita-se de alguns fatores, como fatores genéticos, anomalias inatas (síndrome de Down e anemia de Fanconi), exames de raio X, alguns tipos de vírus e substâncias químicas irritantes em altas doses, como o benzeno", explica o hematologista do Einstein, Dr. Nelson Hamerschlak.

Os sintomas são consequências do acúmulo de células afetadas na medula óssea, o que pode prejudicar ou mesmo impedir a produção dos glóbulos vermelhos (anemia, enfraquecimento, cansaço crônico), dos glóbulos brancos (infecções, febres de causa não explicada) e das plaquetas (sangramentos de gengivas e nariz, manchas roxas (equimoses), ou pontos vermelhos na pele).

"São comuns especialmente sangramentos pelo nariz, gengivas ou menstruações muito intensas, sem razão aparente. Infecções recorrentes, dor nas articulações e nos ossos, inflamação e aumento de tamanho dos nódulos linfáticos, baço e fígado também são sintomas da doença, explica o Dr. Nelson Hamerschlak.

A leucemia pode ser classificada, de acordo com o grau de evolução (imaturidade das células), em crônica ou aguda. E também está relacionada à célula que lhe deu origem ou a sua linhagem, sendo classificada em mieloide, quando as células mieloides são afetadas, ou linfoide, quando a leucemia afeta as células linfócitas.

O tipo agudo da doença é desenvolvido rapidamente e caracterizado pelo crescimento veloz de células sanguíneas imaturas.
Já a leucemia crônica desenvolve-se lentamente e aparece mais frequentemente em adultos. É caracterizada pelo acúmulo de células sanguíneas relativamente maduras, porém ainda assim "anormais'.

Se combinarmos as duas classificações, existem, então, quatro tipos mais comuns de leucemia:


Leucemia linfoide crônica: afeta células linfoides e se desenvolve vagarosamente. A maioria das pessoas diagnosticadas com esse tipo da doença é idosa. Raramente afeta crianças.
Leucemia mieloide crônica: afeta células mieloides e se desenvolve vagarosamente, a princípio. Presente principalmente em adultos.
Leucemia linfoide aguda: afeta células linfoides e agrava-se rapidamente. É o tipo mais comum em crianças pequenas, podendo ocorre também em adultos.
Leucemia mieloide aguda: afeta as células mieloides e avança rapidamente. Ocorre tanto em adultos como em crianças.

O diagnóstico é feito por meio de uma análise laboratorial ao paciente, como o hemograma (exame de sangue), que deverá estar alterado em caso de leucemia. "Porém, a confirmação só é feita com exames da medula óssea, entre eles o mielograma. Nestes exames retira-se material esponjoso de dentro do osso para que sejam examinadas as células encontradas"

O tratamento da leucemia aguda ocorre em fases. Inicialmente, é feito por meio de quimioterápicos e pode ter um resultado positivo por um período pequeno de tempo. "Dependendo do tipo de leucemia, há a necessidade de prolongar o uso desses medicamentos (terapia de consolidação e manutenção). O tratamento em longo prazo pode durar, em alguns tipos da doença, até dois anos e meio ou três anos. Nesse período, determinados remédios combinados são utilizados para prolongar e manter a remissão da doença (ou seja, a não evolução)".

Novas pesquisas são feitas constantemente e estão dirigidas a métodos diagnósticos e prognósticos, ao desenvolvimento de novos medicamentos e a tipos mais seguros de transplante de medula óssea.

Fonte: Albert Einstem