Cientistas americanos descobriram um novo tipo de toxina botulínica, a substância mais mortal conhecida pelo homem, nas fezes de uma criança. Por não existir antídoto disponível, os pesquisadores mantiveram seu código genético em segredo, para evitar seu uso como arma biológica. A descoberta, feita por Stephen Arnon no Departamento de Saúde Pública da Califórnia, foi divulgada pela New Scientist.

Causadora do botulismo, a toxina costuma ser tratada com anticorpos, mas ainda não há nenhuma forma eficaz para tratar essa variação, batizada de tipo H, oitava registrada. Uma dose inalada de 13 bilionésimos de grama da proteína botulínica, produzida pela bactéria Clostridium botulinum, é capaz de matar um adulto.

Apesar de sua toxicidade fatal, é preciso interferência humana para que a substância se transforme em ameaça. Por esse motivo, o estudo foi publicado parcialmente e o código genético continua em segredo. O medo de especialistas em biosegurança é que a substância possa ser utilizada como arma biológica. Uma dose muito pequena inserida num centro de distribuição de leite, por exemplo, colocaria em risco a vida de centenas de milhares de pessoas.

Fonte: Info Abril