As parasitoses intestinais são doenças típicas de países e áreas pobres com precárias condições de saneamento básico. A maioria dos parasitas de intestino são adquiridos por contato com fezes de pessoas infectadas que contaminam água, comida ou objetos.

Existem 2 grupos de parasitas intestinais:

Protozoários: São seres unicelulares (compostos por apenas 1 única célula). Sua reprodução é feita por divisão celular, dentro do próprio hospedeiro.

Os protozoários causadores de doença mais comuns são:

-Amebas: os principais são a Entamoeba histolytica e a Dientamoeba fragilis.
-Flagelados: o principal é a o Giardia lamblia.
-Coccídios: os principais são Cryptosporidium parvum e a Isopora belli.

Helmintos: Os helmintos são parasitas mais complexos, compostos por várias células e órgãos internos. Podem medir desde centímetros até alguns metros de comprimento. Ao contrário dos protozoários que se multiplicam dentro do hospedeiro, os helmintos produzem ovos e larvas que só se desenvolvem ao serem lançados no ambiente junto com as fezes. As pessoas se contaminam ao ingerir esses ovos e larvas.

Os helmintos causadores de doença mais comuns são:

Nematoides:
- Ascaris lumbricoides.
- Ancilostomídeos.
- Enterorobius vermucularis.
- Strongyloides stercolaris.
- Trichuris trichiura

Trematódeos:
- Schistosoma mansoni.

Cestódeos:
- Taenia sp.
- Hymenolepis diminuta.
- Hymenolepis nana.

O diagnóstico é feito através do exame parasitológico de fezes (EPF). Nem todas as amostras de fezes contém ovos ou o próprio parasita. Para se aumentar a sensibilidade do exame, sugere-se que se colha de 3 a 6 amostras, uma em cada dia. Um único parasitológico de fezes positivo é suficiente para se fechar o diagnóstico. Porém, para se descartar verminose é preciso ao menos 3 amostras de EPF negativas.

fonte: Md Saúde