A Síndrome do X Frágil (SXF), também conhecida como Síndrome de Martin-Bell, é uma doença genética considerada a causa mais comum de retardo mental herdado, com uma incidência estimada em 1/4000 homens e 1/6000 mulheres. Essa síndrome ocorre em virtude de uma mutação no gene FMR1 (Fragile Mental Retardation 1), localizado no cromossomo X. Os homens afetados por essa síndrome a apresentam em grau moderado; enquanto as mulheres a apresentam em grau leve, podendo ter o funcionamento mental normal. A Síndrome X Frágil é mais frequente no homem, talvez porque ele possua apenas um cromossomo X. Portanto, sendo esse X defeituoso, não haverá outro X sadio para compensar, como ocorre na mulher, que tem dois cromossomos X. As pessoas afetadas por essa síndrome apresentam algumas características físicas que podem se tornar mais evidentes após a puberdade, são elas:

Face alongada;

Orelhas grandes e em abano;

Mandíbula proeminente;

Testículos aumentados (macrorquidia).

Alguns indivíduos podem apresentar ainda algumas características, como:

Hipotonia muscular;

Comprometimento do tecido conjuntivo;

Pés planos;

Palato alto;

Prolapso da válvula mitral;

Prega palmar única;

Estrabismo;

Escoliose;

Calosidade nas mãos (decorrente do hábito de morder as mãos);

A característica mais significativa de uma pessoa afetada por essa síndrome é o atraso no desenvolvimento, mas é importante lembrar que os graus de deficiência das crianças portadoras da Síndrome X Frágil são muito variados. Os indivíduos portadores dessa síndrome podem apresentar algumas características cognitivas, como:

Excelente memória;

Bom vocabulário;

Habilidade para leitura;

Facilidade na identificação de sinais gráficos e logotipos;

Uso de jargões e frases de efeito;

Seguem instruções ao "pé da letra";

Fala repetitiva;

Podem dar importância a aspectos irrelevantes;

Ecolalia (repetição de fonemas).

O diagnóstico dessa síndrome é feito através de exame citogenético (cariótipo). É importante lembrar que se for diagnosticada a Síndrome X Frágil, os outros membros da família também deverão se submeter ao exame.

O tratamento da Síndrome X Frágil consiste em terapias especiais e estratégias de ensino que ajudam as pessoas afetadas por essa síndrome a aumentarem o seu desempenho. Uma equipe multidisciplinar composta por fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, neurologistas, e outros profissionais, tanto da saúde como da educação, devem fazer o acompanhamento do indivíduo acometido por essa síndrome.

Fonte: Brasil Escola