Na identificação humana por DNA de cadáveres em avançado estágio de decomposição ou esqueletizados, muitas vezes o único material biológico viável para exame é o osso.

Apesar dos ossos longos vivos possuírem uma medula óssea rica em leucócitos, nos cadáveres esta parte entra rapidamente em decomposição e deve ser retirada antes do exame. Portanto, a parte óssea utilizada para extração do DNA é a Cortical, que possui uma matriz mineralizada e é mais resistente à degradação.