Com a Extração Diferencial do DNA é possível que o Geneticista Forense separe em laboratório o DNA da vítima (caso seja do sexo feminino) do DNA do agressor (sexo masculino).

Isso baseado na diferença de resistência das membranas dos espermatozoides frente aos reagentes de lise celular utilizados na extração do DNA. Permitindo assim, em uma mistura de materiais genéticos separar a Fração Espermatozoide (agressor) da Fração não-Espermatozoide (vítima). Confrontando de uma forma mais eficiente com a amostra referência do suspeito.


Na foto: espermatozoides (agressor) e células epiteliais (vítima).