Anticoagulantes são substâncias que impedem a formação de coágulos no sangue (trombos), inibindo a síntese dos fatores de coagulação. São muito utilizados em tubos de ensaio, malas de transfusão de sangue e equipamento de diálise renal. Também são administrados por pessoas como medicamento para combater a trombose (coagulação do sangue de forma inadequada nos vasos sanguíneos) bem como prevenir a embolia pulmonar, infarto do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais em pessoas que são predispostas. Os coágulos de sangue são a principal causa de derrames e ataques cardíacos, o que causa mortes frequentes em várias partes do mundo, podendo ser evitadas com o uso de anticoagulantes.

Um dos anticoagulantes mais utilizados e consumidos em todo o mundo é a aspirina, principalmente por pessoas que tiveram um infarto do miocárdio, angina, ataque cerebral isquêmico ou ataque isquêmico transitório. A aspirina ajuda a diluir o sangue ao inibir a produção de prostaglandinas, reduzindo a produção de coágulos. É importante salientar que pessoas que tomam aspirina regularmente correm o risco de problemas estomacais, incluindo sangramento no estômago, que podem ser intensificados com o consumo de álcool. Os riscos e benefícios da terapia com aspirina são diferentes para cada pessoa, por isso é importante ter um acompanhamento médico.

A heparina é um anticoagulante natural extraído originalmente do fígado, produzida por basófilos e mastócitos, descoberta em 1916. É um anticoagulante que atua na trombina, impedindo a transformação do fibrinogênio em fibrina. Torna o sangue mais fluido e aumenta as concentrações de lipídios no sangue. É muito utilizada em casos de síndrome coronariana aguda, trombose venosa profunda, embolia pulmonar, entre outros casos. A heparina é mal absorvida pelo intestino, por isso é administrada por via intravenosa ou subcutânea (sob a pele). Injeções intramusculares (no músculo) são evitadas por causa da formação de hematomas. Devido ao seu efeito anticoagulante, a heparina cria um risco significativo de sangramento excessivo. Outros efeitos adversos da heparina incluem trombocitopenia, queda do cabelo transitória, osteoporose e reações alérgicas. Em tubos de ensaio, a heparina é usada para realização de gasometria, exames de hematologia, dosagens bioquímicas, radioimunoensaio e imunologia.

Fonte: Info Escola

.