Introdução:

Imunologia é o estudo de nossa proteção contra macromoléculas estranhas ou organismos invasores e nossas respostas a eles. Esses invasores incluem vírus, bactéria, protozoários ou mesmos parasitas maiores. Além disso, nós desenvolvemos respostas imunes contra nossas próprias proteínas (e outras moléculas) na autoimunidade e contra nossas próprias células aberrantes na imunidade de tumores.

Nossa primeira linha de defesa contra organismos estranhos são barreiras de tecidos tais como a pele, que interrompe a entrada de organismos nos nossos corpos. Se, entretanto, essas barreiras são rompidas, o corpo contém células que respondem rapidamente à presença do invasor. Essas células incluem macrófagos e neutrófilos, que englobam organismos estranhos e os mata sem a necessidade de anticorpos. Um desafio iminente também vem de moléculas solúveis que privam o organismo invasor de nutrientes essenciais (tais como o ferro) e de certas moléculas que são encontradas nas superfícies do epitélio, nas secreções (tais como nas lágrimas e na saliva) e na corrente sanguínea. Esta forma de imunidade é o sistema imune inato ou não específico que está continuamente pronto para responder a uma invasão.

A segunda linha de defesa é a imunidade específica ou adaptativa, que deve levar dias para responder a uma invasão primária (que é a infecção por um organismo que nunca foi visto antes). No sistema imune específico, nós vemos a produção dos anticorpos (proteínas solúveis que se ligam a antígenos estranhos) e respostas mediadas por células na qual células específicas reconhecem patógenos estranhos e os destroem. No caso de vírus ou tumores, esta resposta é também vital para o reconhecimento e destruição de células infectadas por vírus e células tumorigênicas. A resposta à segunda rodada de infecção é frequentemente mais rápida do que a infecção primária por causa da ativação de células B de memória e células T. Nós veremos como as células do sistema imune interagem umas com as outras por uma variedade de moléculas de sinal de modo que uma resposta coordenada é montada. Esses sinais são proteínas tais como as linfocinas que são produzidas pelas células do sistema linfoide, citocinas e quimiocinas que são produzidas por outras células em uma resposta imune, e que estimulam células do sistema imune.

Fonte: Assinante - Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Sul