O HPV são vírus pertencentes da família Papovaviridade, é uma doença sexualmente transmissível (DST), estima-se que 3 a 5 % da população entre 15 a 25 anos sexualmente ativa já tiveram algum contato com o vírus. Em 90% dos casos de câncer de colo uterino estão relacionado com os subtipos de alto risco 16, 18, 45 e 56. A infecção pelo HPV geralmente manifesta em regiões do epitélio escamoso e as membranas da cervice, vagina, vulva, pênis e região perianal causando o aparecimento de condiloma acuminado (verrugas), pelos subtipos 6 e 11. Apesar de altas taxas de prevalências as vitimas são mulheres, a incidência masculina é baixa devido a pouca procura pelo serviço de urologia. Estudos epidemiológicos relacionam como sendo fatores de risco hábitos sexuais como: início precoce e multiplicidade de parceiros, tabagismo ativo ou passivo, uso prolongado de anticoncepcionais orais, fatores socioeconômicos.

As medidas de prevenção são visitas periódicas ao médico, realização de exame papanicolau que é recomendado como método para rastreamento de lesões e principal razão da redução do câncer cervical, o exame de peniscopia está sendo implantado com a Política da Saúde do Homem. Na rede privada existem vacinas que são efetivas para alguns subtipos de HPV, quando administradas antes do inicio da atividade sexual. O uso do preservativo apesar de não proteger 100% contra o HPV continua sendo o método mais efetivo e as ações educativas enfatizando mudanças no comportamento sexual reduzem os riscos de contrair DSTs.

Objetivos:Orientar, de forma clara e objetiva, adolescentes de escolas sobre a patologia Papiloma vírus Humano (HPV), cuja incidência ocorre nesta faixa etária, assim como alguns dos principais subtipos, sua transmissão e os vários tipos de manifestação da doença, visando sua prevenção.

Fonte: WOLSCHICK, N.M., et al. Câncer do colo do útero. RBAC, vol. 39(2): 123-129, 2007.