Ministério da Saúde fecha parceria para fabricação nacional de medicamentos contra o câncer

O Ministério da Saúde liderou novo processo de atração de investimentos de empresas multinacionais no setor de Saúde. Acordo entre a multinacional Merck Serono e a Bionovis vai impulsionar as Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) para a produção nacional de biofármacos. A entrada da Merck Serono viabilizará a construção da fábrica que produzirá seis medicamentos biológicos a partir de 2014.

A parceria prevê investimento de R$ 500 milhões para construção, desenvolvimento de produtos e transferências tecnológicas. A Bionovis pretende investir R$ 1 bilhão na produção de medicamentos biológicos no Brasil nos próximos cinco anos. "Este acordo traz diversos resultados positivos. Primeiro, amplia a capacidade nacional dos laboratórios públicos e empresas privadas nacionais gerar conhecimento, inovação tecnológica, pesquisa aqui no Brasil, além de garantir segurança aos pacientes e permite também uma economia importante para o Ministério da Saúde", destacou o ministro Alexandre Padilha.

Os produtos, que serão fabricados pelo Bionovis e os institutos públicos Fiocruz e Vital Brazil, são de última geração e de alto custo para o tratamento de câncer - rituximabe, bevacizumabe, cetuximabe e trastuzumabe - e artrite reumatoide, psoríase e doença de Crohn - etanercepte e infliximabe.
[p]As PDP relativas a esses seis medicamentos foram divulgadas em junho. "Num período de cinco meses já se conseguiu um parceiro tecnológico que domina o ciclo completo de produção e que contratualmente se compromete e nós vamos seguir passo a passo esse processo para que a transferência de tecnologia seja integral desde o que eles chamam do lote semente até a embalagem do produto no Brasil", disse o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégios do MS, Carlos Gadelha.

"Nossa intenção é transferir a tecnologia para que os produtos sejam totalmente manufaturados aqui no Brasil. Assim, vamos aliviar a balança comercial negativa, ganhar com geração de empregos e formação de técnicos especializados, além de colocar o Brasil na independência desses produtos", disse o presidente da Bionovis, Odnir Finotti.

O acordo com a Merck Serono garante a transferência tecnológica, em cinco anos, entre a multinacional e a empresa Bionovis, criada para a fabricação exclusiva de medicamentos biológicos e formada por quatro grandes laboratórios (Aché, EMS, União Química e Hypermarcas). As PDPs são destinadas à transferência de tecnologia entre instituições públicas e privadas e a encomendas tecnológicas vinculadas às demandas de produtos estratégicos para SUS.

O alvo são os produtos essenciais dos programas de saúde, tais como vacinas, medicamentos para câncer, saúde da mulher, saúde mental e doenças crônicas, dentre outras. Por exemplo: O mesilato de imatinibe: o primeiro oncológico nacional produzido por uma PDP para Leucemia Mieloide Crônica, com economia real em 2013: R$ 31,5 milhões comparado com o ano de 2012.

Fonte: Inca