Em breve, será possível conhecer os quase 25 mil genes do DNA. Teste não é indicado para todo paciente. O risco de câncer de mama na atriz Angelina Jolie foi detectado por meio do sequenciamento genético, um teste não indicado para todo paciente. Todo gene é feito de uma sequência de bases. No DNA de Angelina Jolie, aparece um conflito. Indica que o gene não funciona direito, o que pode levar a uma predisposição maior a desenvolver o câncer de mama e ovários.

"Está associado a um tipo mais agressivo de câncer de mama, que é o câncer triplo negativo, para o qual não tem uma droga especifica, terapia alvo. Acho que, no caso dela, foi uma decisão bem inteligente", diz Dirce Maria Carraro, pesquisadora do Hospital A.C.Camargo. Foi uma máquina que detectou o defeito no gene da atriz Angelina Jolie. No Brasil, o exame custa mais ou menos R$ 6 mil e o resultado sai em quatro semanas. Essa tecnologia, no entanto, já avançou. Em uma amostra de outra máquina, em apenas quatro horas, será possível conhecer não um, mas os quase 25 mil genes do DNA do paciente e por um preço três vezes menor, cerca de R$ 2 mil.

É fato que o mapeamento genético está mais acessível, mas será que ele é indicado pra todo mundo? Para Mayana Zatz, coordenadora do Centro de Estudos Genoma Humano/USP, a resposta é não. "Existe risco de achar mutações para doenças de início tardio, para as quais não há tratamento, para as quais não há cura. Por exemplo, doença de Alzheimer. Será que eu quero saber que eu vou ter doença de Alzheimer se eu não posso fazer nada a respeito?", questiona. Hoje, o sequenciamento genético é apenas indicado para pessoas que têm histórico familiar de câncer e doenças raras que têm cura. Em outros casos, submeter-se ao teste pode ser pior. "Você, às vezes, carrega esse fardo para o resto da vida por causa dessa mutação, e provavelmente não vai acontecer nada. Então, realmente a gente tem que tomar muito cuidado para que isso não vire uma paranóia", diz Zatz.

Fonte:Jornal da Globo