Pesquisadores do SUNY Downstate Medical Center, nos EUA, identificaram uma molécula que reduz os níveis de gorduras circulantes no sangue. A descoberta pode abrir caminho para a criação de novos tratamentos para o colesterol elevado.

A equipe, liderada por M. Mahmood Hussain, demonstrou que uma molécula de RNA regulatório interfere com a produção de lipoproteínas e, em um modelo de rato, reduz a hiperlipidemia e aterosclerose.

Hiperlipidemia é uma condição com altos níveis de gorduras circulantes no sangue e é conhecido fator de risco para diversas doenças cardiovasculares e metabólicas.

Embora a dieta ocidental contribua muitas vezes para níveis elevados de lípidos, tais como colesterol e triglicéridos, o excesso de produção de lipoproteínas próprias do corpo pode conduzir à hiperlipidemia, independente da ingestão de alimentos.

Os resultados aparecem na revista Nature Medicine.

"Níveis elevados de lipídios plasmáticos e de lipoproteínas são um fator de risco para aterosclerose e diminuir os níveis de lipídios plasmáticos é um objetivo nacional.

Enquanto medicamentos atuais e mudanças na dieta podem ser eficazes, a doença cardiovascular permanece a principal causa de morte nos Estados Unidos, e outras abordagens para diminuir os níveis de lipídeos são necessários", afirma Hussain.

Baseados no fato de que o "excesso de produção de lipoproteínas, processo que é dependente da proteína de transferência de triglicerídeos microssomal (MTP), pode contribuir para a hiperlipidemia, Hussain e seus colegas demonstram que microRNA-30c (miR-30c), um regulador genético, interage com MTP e induz a sua degradação, levando a reduções na atividade de MTP, na produção de lipoproteínas, lipídios plasmáticos e aterosclerose.

Esta molécula também reduz a síntese de lipídios independentemente do MTP, evitando assim complicações associadas com drogas terapêuticas destinadas a reduzir a produção de lipoproteína.

Os autores concluem que uma medicação que imita a ação de miR-30c no organismo pode ser potencialmente eficaz na redução da hiperlipidemia em seres humanos.

Fonte: I saúde